Rádio Observador

Cancro

Sumos e refrigerantes associados ao risco de cancro

Uma equipa de investigadores francesa encontrou uma associação entre as bebidas açucaradas e o risco de cancro, mas não pode afirmar que o consumo destas bebidas leva ao aparecimento da doença.

Ser "natural" não significa necessariamente que seja "mais saudável"

Getty Images/iStockphoto

Uma equipa de investigadores francesa detetou uma associação entre o consumo de bebidas açucaradas e o risco de desenvolver cancro — ou seja, quando um aumenta, o outro também aumenta. Mas como a própria equipa refere não é possível afirmar que essas bebidas sejam a causa dos cancros detetados e não foi possível descartar todos os fatores que pudessem gerar confusão nos dados obtidos. Os resultados foram publicados, esta quarta-feira, na revista científica The BMJ.

“Apesar de este artigo mostrar uma possível associação entre o consumo de bebidas açucaradas e o risco de cancro, há tantas ressalvas para este tipo de estudos que os resultados devem ser visto apenas como interessantes e geradores de hipóteses, e não como algo significativo para estabelecer a ligação real, como os próprios autores admitem”, alerta Nikolai Petrovsky, professor na Faculdade de Medicina e Saúde Pública na Universidade de Flinders (Austrália), num comentário ao artigo. Para o professor, achar que reduzir o consumo de bebidas açucaradas pode diminuir a incidência de cancro é esticar demasiado as conclusões possíveis com os dados disponíveis.

Mas nem todos os especialistas têm uma visão tão conservadora. “O açúcar deve ser tratado como o álcool e o tabaco”, afirma Lennert Veerman, professor na Faculdade de Medicina da Universidade de Griffith (Austrália). O professor considera que não é possível diminuir o consumo de açúcar com uma campanha de informação, antes que se devem taxar os produtos e restringir a publicidade para se poderem ter efeitos reais na saúde. “E muito provavelmente também serão bons para a economia: uma população saudável é uma população mais produtiva.”

Neste trabalho, os investigadores verificaram que o aumento do risco tanto estava associado ao consumo de sumos 100% fruta sem adição de açúcar como ao consumo de outras bebidas açucaradas, como refrigerantes, bebidas energéticas, bebidas à base de leite ou bebidas quentes com açúcar. Pelo contrário, não encontraram associação entre o consumo de refrigerantes com adoçantes e o aumento do risco de cancro, o que não quer dizer que estas bebidas não estejam associadas a outras questões de saúde, como problemas metabólicos. Estar associado significa que acontecem em paralelo, mas não necessariamente que um evento seja a causa do outro.

Destes resultados, Nikolai Petrovsky destaca um ponto que considera menos explorado: os sumos naturais, promovidos como uma opção mais saudável aos refrigerantes, têm muitas vezes uma maior quantidade de açúcares, ainda que não tenham açúcar adicionado. “A população continua enganada a pensar que ‘natural’ automaticamente significa ‘mais saudável’, o que simplesmente não é o caso.”

Apesar da equipa não ter conseguido demonstrar que o consumo de bebidas doces aumenta o risco de cancro e de que forma isso acontece, há um mecanismo que pode ser considerado: o consumo de açúcar está associado à obesidade e a obesidade é um fator de risco para o aparecimento de cancro. Além disso, a ingestão de açúcares pode afetar a gordura visceral (à volta dos órgãos) e aumentar a resistência à insulina, que são outros fatores de risco para o aparecimento de cancro.

A justificação mais plausível pode ser que o consumo de bebidas açucaradas seja só um marcador [indicador] de alguém com uma dieta pobre em geral e que esta dieta pobre seja o que está de facto a aumentar o risco de cancro”, diz Nikolai Petrovsky.

O estudo contou com a participação de 101.257 pessoas, todas elas com mais de 18 anos, que foram recrutadas por uma plataforma online. Esta forma de recrutamento é uma das limitações do estudo, porque os participantes não são necessariamente representativos da população. Por exemplo, as mulheres compõe 78% dos pessoas no estudo. No entanto, a equipa considera que os resultados poderiam ser ainda mais expressivos se o estudo incluísse mais pessoas com um nível sócio-económico e educativo mais baixo.

Uma das limitações mais relevante identificada pelos investigadores é que o cancro pode demorar vários anos a desenvolver-se até que seja detetado. Apesar de os participantes terem sido seguidos ao longo de nove anos, os comportamentos anteriores a este período podem justificar o aparecimento de cancro durante o tempo em que estavam a ser observados. Além disso, não foi possível a equipa descartar todos os outros fatores que poderiam influenciar e confundir os resultados obtidos.

Uma das formas de verificar se as bebidas açucaradas podem realmente estar associadas ao aparecimento de cancro é, por exemplo, observar se o risco diminui nas pessoas que substituem estas bebidas por água.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)