Rádio Observador

Google

Google admite que ouve e grava conversas entre utilizadores e a assistente virtual

A Google admitiu que os funcionários têm acesso às gravações feitas pelo assistente virtual Google Assistant. Reportagem de emissora belga revela que há ficheiros áudio capturados acidentalmente.

NurPhoto via Getty Images

A gigante Google admitiu na passada quinta-feira que os seus funcionários têm acesso às gravações feitas pelo sistema de inteligência artificial Google Assistant. A revelação surge depois de algumas gravações em alemão terem sido divulgadas, conta o jornal britânico The Guardian. David Monsees, gestor de produto da Google escreveu no blogue da empresa que a gigante tecnológica está a investigar o que se passou.

Parte do nosso trabalho de desenvolvimento da tecnologia de discurso em diversas línguas inclui parcerias com especialistas em linguagem pelo mundo todo que percebem as nuances e sotaques de um idioma em específico. Estes especialistas reveem e transcrevem um pequeno conjunto de intervenções para nos ajudar a melhor compreender todos estes idiomas. Esta é uma parte crítica do processo de desenvolvimento da tecnologia de discurso e é precisa para criar produtos como o Google Assistant. Soubemos recentemente que um desses revisores violou as nossas políticas de proteção de dados ao divulgar conteúdo áudio. As nossas equipas de segurança e privacidades foram logo ativadas, estão a investigar o que se passou e vão agora. Estamos a orientar uma revisão completa das nossas proteções neste espaço para prevenir que desvios como este aconteçam novamente”, lê-se no blogue.

As gravações foram obtidas pela emissora pública belga VRT NWS, que analisou mais de 1.500 ficheiros áudio e descobriu que 153 deles foram capturados acidentalmente.

À publicação Wired, uma porta-voz da Google disse que os trabalhadores da empresa apenas têm acesso a 0,2% das gravações, as quais são transcritas, sendo que existe cuidado em manter o anonimato de todos os intervenientes. A reportagem em causa encontrou, no entanto, informação identificável nos ficheiros áudio que foram analisados, desde moradas a discussões familiares ou o nome dos netos de alguns utilizadores dos aparelhos.

A Google Assistant é ativada quando se diz “Ok Google” e, tal como a Alexa, da Amazon, a voz predefinida é feminina e responde a perguntas e a alguns desafios propostos pelo utilizador — como passar música ou dar conta das notícias.

A tecnológica norte-americana diz que os seus colaboradores ouvem as gravações de maneira a melhor compreender alguns padrões linguísticos e acentos. As gravações, esclarece a mesma, podem ser usadas pela empresa, segundos os termos de utilização, algo que pode ser desligado — mas dizem que, ao fazê-lo, a assistente perde muito do seu toque pessoal.

O The Guardian escreve ainda que as gravações em causa podem não estar em concordância com o Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia, em vigor desde maio de 2018.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)