Rádio Observador

Migração

EUA dificulta pedido de asilo a migrantes que entrem pela fronteira com México

Um estrangeiro que entre ou tente entrar nos EUA através da fronteira sul sem antes ter pedido proteção num país por onde tenha passado a caminho dos EUA não é elegível para asilo, segundo a ordem.

A medida também se aplica às crianças que tenham atravessado a fronteira sozinhas, mas abre algumas exceções, nomeadamente para pessoas que tenham sido vítimas de tráfico ou para os migrantes cujos pedidos de asilo tenham sido recusados no país por onde tiverem passado

Mario Guzman/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O governo dos Estados Unidos vai passar a recusar asilo aos migrantes que não o solicitem antes num “país terceiro seguro”, com o objetivo de reduzir o fluxo de migrantes dos países da América Central na fronteira com o México.

Um estrangeiro que entre ou tente entrar nos Estados Unidos através da fronteira sul sem pedir proteção num país por onde tenha passado a caminho dos EUA não é elegível para asilo, segundo a nova ordem publicada no Registo Federal e que entra em vigor na terça-feira.

A medida também se aplica às crianças que tenham atravessado a fronteira sozinhas, mas abre algumas exceções, nomeadamente para pessoas que tenham sido vítimas de tráfico ou para os migrantes cujos pedidos de asilo tenham sido recusados no país por onde tiverem passado.

À nova regra também se aplicará à triagem inicial do processo de pedido de asilo, conhecida como “medo credível”, na qual os migrantes devem provar que têm medo de retornar ao seu país de origem. Aplica-se aos migrantes que chegam aos EUA e não àqueles que já estão no país.

O Procurador Geral, William Bar, disse que os Estados Unidos são “um país generoso, mas que está completamente assoberbado” pelos encargos relacionados com a detenção e processamento das centenas de milhares de pessoas na fronteira a sul.

O executivo de Trump considera que as famílias estão a aproveitar-se das brechas legais que permitem que os migrantes entrem no país de forma livre enquanto esperam pela resposta dos falsos pedidos de asilo.

O Presidente norte-americano tentou negar asilo a todos aqueles que atravessaram a fronteira ilegalmente e restringir a elegibilidade para os pedidos. O Procurador Geral tentou fazer com que os migrantes ficassem detidos enquanto aguardavam pela resposta do pedido. Quase todos estes esforços foram bloqueados pelos tribunais. Espera-se que esta nova regra enfrente também vários desafios legais.

A lei dos Estados Unidos permite que os refugiados peçam asilo quando cheguem ao país, independentemente dos meios que utilizaram para lá chegar, mas existe uma exceção para aqueles que chegam de países considerados “seguros”.

A Lei da Imigração e da Nacionalidade, que governa a lei do asilo, é vaga na determinação de um país como “seguro”, “nos termos de um acordo bilateral ou multilateral”.

Até ao momento, os Estados Unidos apenas têm este tipo de acordo, conhecido como “terceiro país seguro” com o Canadá.

Os grupos de defesa dos direitos dos imigrantes afirmaram que as políticas republicanas são um esforço cruel para manter os migrantes fora do país.

Entretanto, as condições dos migrantes que conseguem atravessar a fronteira pioram e o número de migrantes que tenta chegar aos Estados Unidos cresceu, apesar das políticas de imigração rígidas.

As instalações na fronteira onde estão detidos vários migrantes estão cheias e já ultrapassam a capacidade limite, com muitas a terem dificuldade em reunir as condições necessárias.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)