Rádio Observador

Vinho

Região de vinhos de Trás-os-Montes “renasce” e atrai cada vez mais produtores

1.258

Região de Trás-os-Montes produz cerca de três milhões de garrafas de vinho certificado, e ainda é uma das menores do país. Há um elevado número de jovens agricultores a interessarem-se pela produção.

O território tem cerca de 10 mil hectares de vinha e estão inscritos 110 produtores, embora só 65 certifiquem vinho

NUNO ANDRE FERREIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A região de Trás-os-Montes produz cerca de três milhões de garrafas de vinho certificado e é uma das mais pequenas do país, mas está a ser redescoberta, a crescer e a atrair jovens produtores, segundo fontes do setor.

“A região está a recuperar notoriedade, está a renascer (…). Temos tido um elevado número de jovens agricultores que se estão a instalar e que estão a fazer os primeiros vinhos”, afirmou nesta quarta-feira o presidente da Comissão Vitivinícola Regional de Trás-os-Montes (CVRTM), Francisco Pavão.

O responsável salientou que esta “região de contrastes” se estende de Montalegre (Vila Real) ao planalto mirandês (Bragança), possui vinhas plantadas em solos xistosos ou graníticos, a 200 ou a 700 metros de altitude. Em Montalegre está plantada, neste momento, a vinha mais alta do país.

O território tem cerca de 10 mil hectares de vinha e na CVRTM estão inscritos 110 produtores, embora só 65 certifiquem vinho.

Ana Alves, enóloga da CVRTM, afirmou à agência Lusa que aqui são produzidas cerca de “três milhões de garrafas de vinho certificado”, ou seja, com denominação de origem (DO) e indicação geográfica (IG).

A responsável contou que, depois de uma “quebra acentuada” da produção, há cerca de uma década, a região tem vindo “paulatinamente” a produzir mais vinho e a atrair mais produtores, entre os quais muitos jovens.

“O número de produtores – engarrafadores cresce todos os anos. Em 2019, já vamos com cinco novos produtores inscritos e todos os anos há novos produtores a quererem vir para Trás-os-Montes”, reforçou.

Para Bernardo Gouvêa, presidente do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), “a região está a ser “redescoberta”. Na sua opinião, os mercados procuram “genuinidade e autenticidade” e Trás-os-Montes “tem um potencial enorme a esse nível”.

O responsável elencou algumas “características peculiares” deste território, como a pequena dimensão das explorações, no entanto, salientou que “tem vindo a crescer”. “Desde 2014, cresce anualmente 5% e isso é muito interessante e significativo”, sublinhou.

Ana Alves destacou como uma mais valia de Trás-os-Montes a “qualidade das massas vínicas (uvas)” e explicou que, devido ao clima, verões quentes e invernos frios, “há menos pragas e doenças na vinha”.

“Com dois a três tratamentos conseguimos controlar a vinha e isso é uma mais-valia enorme, quer em custos de produção quer, depois, na qualidade das uvas”, frisou.

Francisco Pavão adiantou que cerca de 20% dos vinhos produzidos na região são exportados para países do “mercado da saudade”, onde se destaca o Brasil. “Foi o primeiro vinho português a chegar ao Nepal há uns anos”, contou.

O IVV apoiou a CVRTM com dois programas, um de 60 mil euros para a promoção em países terceiros e outro de 40 mil euros para a promoção interna.

Valpaços, no distrito de Vila Real, acolhe a sede da CVRTM e é um dos municípios da região com maior peso na produção regional.

O presidente da Câmara de Valpaços, Amílcar Almeida, afirmou que, no concelho, o vinho representa um volume de negócios na ordem dos “30 milhões de euros” anuais e também aqui, assinalou, “estão a aumentar os hectares de vinha e os produtores”.

Para incentivar a produção e a qualidade, a CVRTM realiza um concurso que, este ano, contou com a participação de 109 vinhos.

Na 8.ª edição do Concurso de Vinhos de Trás-os-Montes, os prémios prestígio foram atribuídos aos vinhos Quinta de Arcossó Superior Bago a Bago (tinto 2015), da Quinta de Arcossó, ao Quinta Serra D’Oura (reserva rosé 2017), de Carlos Manuel Alves Bastos, e ao Quinta do Sobreiró de Cima (reserva branco 2017), da Quinta do Sobreiró de Cima.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)