Rádio Observador

Faro

Câmara de Faro destituiu administração da Ambifaro e nomeou nova equipa

A destituição do conselho de administração da empresa municipal surgiu depois da abertura de uma investigação de alegados crimes de corrupção e económicos que levou à constituição de quatro arguidos.

O presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau, nomeou Sophie Matias como nova presidente e Adriano Guerra e Carlos Baía como vogais

LUÍS FORRA/LUSA

O presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau, destituiu o conselho de administração da empresa municipal Ambifaro e nomeou Sophie Matias como nova presidente e Adriano Guerra e Carlos Baía como vogais, anunciou nesta sexta-feira o município.

A destituição do conselho de administração da Ambifaro surgiu depois de, em 09 de julho, a Polícia Judiciária ter feito buscas na autarquia, na empresa e no Mercado Municipal, no âmbito de um processo que investiga alegados crimes de corrupção e económicos e que levou à constituição de quatro arguidos.

“Esta decisão prende-se com a necessidade imperiosa de defender o interesse público, através da conservação de um clima de total estabilidade e serenidade na relação da Ambifaro e do Mercado Municipal com os colaboradores da empresa, com os operadores e, ainda, com todos os parceiros”, justificou a autarquia no comunicado em que anunciou a destituição do conselho de administração da Ambifaro presidido por Sandra Ramos.

A autarquia adiantou que estes fatores são “essenciais para a assunção dos importantes desafios que se avizinham e para a manutenção do caminho de recuperação da credibilidade e da operacionalidade”, tanto do mercado como da empresa municipal.

“A nossa atuação sempre se pautou pela defesa intransigente dos princípios da legalidade, do rigor e da transparência, pelo que reafirmamos a nossa total disponibilidade para continuarmos a colaborar com as autoridades em todas as diligências que estas entendam necessárias e, designadamente, na investigação que está em curso”, sublinhou o município.

Segundo o comunicado, Rogério Bacalhau “mantém a sua confiança pessoal em todos os membros e colaboradores do universo municipal” e, “até prova em contrário, sempre acreditará sem reservas” nessas pessoas.

Após a realização das buscas pela Polícia Judiciária (PJ) no município, na Ambifaro e no mercado municipal, a Câmara de Faro emitiu um esclarecimento público a assegurar que colaborou com as autoridades durante as diligências e o vice-presidente da autarquia, Paulo Santos, respondeu a todas as questões formuladas pelas autoridades judiciárias.

“No decorrer das diligências foram solicitados diversos documentos relativos à atividade da autarquia e da empresa municipal, bem como comunicações eletrónicas – elementos que foram prontamente cedidos pelos serviços. Foram ainda integralmente respondidas todas as questões formuladas pelos inspetores ao sr. vice-presidente da autarquia [Paulo Santos] e à sra. presidente da Ambifaro [Sandra Ramos]”, referiu a autarquia algarvia no esclarecimento.

Previamente, a Procuradoria Geral da República (PGR) e a PJ anunciaram que realizaram buscas na autarquia, na empresa municipal AmbiFaro, no mercado municipal e num escritório de advogados, num processo que investiga alegados crimes de corrupção e económicos e que levou à constituição de quatro arguidos.

Na origem das buscas esteve “um inquérito dirigido pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal de Faro”, ao abrigo do qual se está a investigar eventuais crimes “de corrupção, de participação económica em negócio, de peculato e de prevaricação”, contextualizou a PGR à Lusa.

Uma nota da PJ indicou na ocasião que foram constituídos quatro arguidos, sem especificar quem são e que funções desempenham.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)