O piloto apontado como responsável pelo acidente que deixou feridos cinco militares da GNR, no incêndio de Mourão, distrito de Évora, no ano passado, continua a transportar elementos do GIPS para a frente do fogo. A IGAI encontrou várias falhas na forma como deixou os militares numa zona de perigo — e nada fez para que embarcassem, de novo, em segurança — e o caso foi encaminhado para o Ministério Público, mas o piloto continua a prestar serviço no Centro de Meios Aéreos (CMA) de Portalegre.

Ao Observador, várias fontes da GNR falam em indignação dentro daquela força e garantem que alguns militares estão desconfortáveis, porque receiam vir a ser transportados por ele.

Há um desconforto psicológico dos elementos que estão sediados no CMA de Portalegre”, confirma o coordenador regional da zona sul da Associação Profissional da Guarda, António Barreira.

Além disso, alguns militares estão indignados por saberem que, mesmo correndo ainda uma investigação, o piloto continua em funções. António Barreira explica que “a APG desconhece em que fase está o inquérito”, mas sublinha “que o próprio MAI, através da IGAI, mostrou uma indicação em que a culpa do acidente derivou da ação do piloto”.

Por menos, temos visto militares da Guarda a ficarem suspensos. Não sendo [o piloto] um elemento militar da Guarda, não compreendemos como é que, não tendo terminado o inquérito, este elemento continua em serviço, no mesmo tipo de funções, em conjunto com elementos do GIPS“, diz ao Observador.

O caso é de 2018. Em agosto, cinco militares do GIPS foram transportados de helicóptero para um incêndio que deflagrou na vila de Mourão, no distrito de Évora. Após desembarcarem, os elementos foram apanhados pelas chamas devido a uma alteração do vento: três ficaram em estado grave e dois sofreram ferimentos leves. O primeiro socorro acabou por ser prestado por um agricultor que se encontrava naquela zona e que ouviu os pedidos de ajuda.

O inquérito do IGAI ao acidente, divulgado em fevereiro deste ano, pela TSF, apontaria falhas ao piloto. Segundo o documento, o comandante deveria ter alertado os militares para o perigo das chamas, tendo em conta a alteração do vento, e nada fez para que a equipa embarcasse em segurança, quando foram surpreendidos pelo aproximar do fogo.

Enquanto responsável máximo pelo local de desembarque e embarque da equipa helitransportada, perante a alteração do vento e sentido do fogo, não alertou a equipa para o perigo e não a fez embarcar novamente na aeronave para sair do local em segurança”, disse o ministro da Administração Interna, num despacho a que a Lusa teve acesso.

As conclusões da IGAI foram depois encaminhadas para o Ministério Público, que está agora a investigar o acidente, num inquérito que corre no DIAP de Évora. O piloto, porém, não foi afastado. Nesta altura está ao serviço do Centro de Meios Aéreos (CMA) de Portalegre e, na passada sexta-feira, transportou um grupo de militares para um incêndio que deflagrou em Marvão, naquele distrito.

Confrontado com as queixas dos militares ouvidos pelo Observador, o piloto disse que “não considera válidas estas observações“, embora não tenha tido ainda conhecimento formal das mesmas. “As pessoas têm o direito de se indignar, mas eu não vou alterar a minha vida, nem os meus hábitos, porque me sinto com a consciência tranquila”, explicou.

Aquando do acidente, em agosto de 2018, o piloto trabalhava para a Heliportugal, contratada pelo Estado, em regime de prestação de serviços — o que permite que também trabalhe para a Helibravo, a outra empresa que ganhou o concurso público de aluguer de helicópteros. Na semana passada era, aliás, para a Helibravo que estava a trabalhar, colocado no CMA de Portalegre.

Tratando-se de empresas privadas, a Força Aérea e o Ministério da Administração Interna entendem que não lhes cabe decidir sobre a contratação dos seus colaboradores. Da mesma forma que o inquérito da IGAI não poderia determinar que o piloto, sendo um trabalhador privado, fosse afastado. O Observador tentou, por várias vezes, contactar a empresa Helibravo, mas sem sucesso.

A ANAC confirma que o piloto tem a licença e os exames médicos em dia e qualificação para operar aquela aeronave e, por isso, não há razões para suspender a sua atividade, apoiando-se no principio da “presunção da inocência”. A mesma confirmação foi dada pelo próprio piloto ao Observador, que garantiu que continua a fazer o seu trabalho “com a maior segurança”, como “sempre” fez.

O processo está em investigação, não sinto qualquer culpa da minha parte e não considero que tenha tido alguma influência no acidente que houve. Fiz tudo o que estava previsto. Continuo a fazer as coisas com a maior segurança, como sempre fiz”, disse.

Ainda não há qualquer condenação ou sequer acusação no processo que corre na justiça. O inquérito da IGAI foi enviado para o MP pelo próprio ministro Eduardo Cabrita. “O mesmo encontra-se em investigação a correr termos na secção de Estremoz do DIAP de Évora“, confirmou fonte da PGR ao Observador.

Dos cinco militares feridos, três ainda se encontram impossibilitados de trabalhar. Desses, dois ficaram com graves mazelas. Um deles, que chegou a ser colocado em coma induzido, está no Centro Clínico da GNR, em Lisboa, a receber cuidados diários: sofreu queimaduras nas vias respiratórias e a sua recuperação está a ser muito lenta. Outro está a receber tratamento no mesmo Centro Clínico, embora já não esteja internado.