Rádio Observador

Audi

Q3 Sportback. O Coupé por mais 2.500€ do que o Q3

Depois da moda dos SUV, eis que na ordem do dia passam a estar os SUV Coupé. Um dos mais recentes exemplos é o Q3 Sportback, a versão mais esguia do Q3 que chega a Portugal em Novembro.

O novo Q3 Sportback é o irmão desportivo da família Q3, começando desde logo a impor-se pelo aspecto exterior. Recorre obviamente à mesma plataforma, mas é ligeiramente mais comprido (1,6 cm devido ao novo desenho dos pára-choques) e consideravelmente mais baixo (2,9 cm), o que lhe confere o desejável ar mais esguio. Mas o argumento final para cativar os que procuram um SUV com um aspecto menos pesado e mais dinâmico é o pilar traseiro, que surge mais inclinado, cobiçando o tal ar de coupé.

Já que estava com o novo Q3 Sportback na prancheta de design, a Audi aproveitou para lhe alterar a linha de cintura, não que quisesse colocar em causa o ar robusto que a linha elevada dos vidros laterais gera, mas sim porque não queria que o tejadilho mais baixo retirasse superfície vidrada ao modelo. Concebido para fazer frente a SUV “desportivos” como o BMW X2 e Range Rover Evoque, o Audi monta ainda pára-choques com entradas de ar mais agressivas e uma grelha mais ousada, para lhe reforçar o dinamismo.

Lá atrás, o Sportback oferece uma mala com 530 litros mas, mais do que a capacidade, impressionou-nos a versatilidade. Esta é conseguida à custa das regulações do assento posterior, que é regulável em inclinação e longitudinalmente (13 cm), proporcionando mais conforto a quem lá se senta, se estiver mais inclinado e mais recuado, ou favorecendo o espaço para bagagens, se as costas estiverem mais direitas e o assento mais avançado. Daí que o volume útil possa crescer até aos 1.400 litros, já com o rebatimento do banco posterior.

Uma vez ao volante, é óbvio o Digital Cockpit, o painel de instrumentos digital que é de série no Q3 Sportback, com o ecrã colocado ao centro do tablier a proporcionar o acesso à qualidade sonora do sistema Bang & Olufsen 3D Sound, bem como ao assistente pessoal Alexa, da Amazon. Segundo os técnicos da Audi com quem tivemos oportunidade de conversar, o Q3 Sportback vai oferecer de série vários sistemas de ajuda à condução, a começar pelo sistema de navegação através do Google Earth, rádio híbrido para assegurar online streaming, além do Android Auto e Apple CarPlay e o pre sense front. Soluções como o Adaptative Cruise Control e o Autoparking continuarão ser opcionais.

Sentados à frente, tudo nos pareceu perfeito, com muito espaço interior, mesmo em altura, com os comandos a ficarem bem ali à mão de quem está ao volante. O espaço no banco traseiro continua bom, apto a receber passageiros com 1.80 m ou mais, se bem que tenhamos notado a necessidade de ter um cuidado adicional com a cabeça no momento de entrar e sair do habitáculo.

Proposto com duas e quatro rodas motrizes, o Q3 Sportback vai ser comercializado com dois motores a gasolina e outros tantos a gasóleo, com os primeiros a fazerem-se representar pelo 35 TFSi, na prática o 1.5 TFSI com 150 cv e 250 Nm de força, e pelo 45 TFSI, cujo motor é o 2.0 TFSI com 230 cv e 350 Nm. As opções diesel chegam pela mão do 35 TDI, um 2.0 turbodiesel com 150 cv e 340 Nm, para depois surgir o 40 TDI, basicamente a mesma unidade mas com 190 cv e 400 Nm.

Versões eléctricas não estão previstas para o Q3 Sportback, mas as electrificadas estão garantidas. Para já, apenas através do 35 TFSI de 150 cv, uma solução mild hybrid a 48V, obrigando à associação à caixa S-Tronic.

O novo SUV Sportback chega a Portugal em Novembro, por valores acima de 52.000€. Isto coloca o Q3 Coupé apenas 2.500€ acima dos valores praticados pelo Q3.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)