Rádio Observador

Ordem dos Enfermeiros

Na urgência de Beja há um enfermeiro para 20 doentes em estado crítico

4.509

A Ordem entende que as novas contratações de enfermeiros são insuficientes e dá como exemplo o que se passa em Beja: há um enfermeiro nas urgências para 20 doentes em estado crítico.

Inácio Rosa/LUSA

A urgência do hospital de Beja está a funcionar nos últimos dias com um enfermeiro para cada 20 doentes críticos, quatro vezes mais doentes do que o recomendado, denunciou a Ordem dos Enfermeiros.

A bastonária Ana Rita Cavaco esteve no fim de semana no hospital de Beja e constatou que os enfermeiros, por serem em número insuficiente, estão numa situação de exaustão total, chegando a trabalhar 16 horas seguidas e a cumprir 70 horas de trabalho semanal, quando deveriam fazer 35 horas semanais.

“É uma equipa extremamente cansada e com muitos atestados [baixas] por exaustão. Os enfermeiros estão numa situação de sobrecarga horária e Beja é o exemplo mais recente. Não trabalham só 35 horas por semana, trabalham 70 horas e por vezes mais”, lamentou Ana Rita Cavaco.

Ana Rita Cavaco considera que a notícia da contratação de mais 1400 enfermeiros pelo Ministério da Saúde é um passo importante para fortalecer o Sistema Nacional de Saúde, mas que por si só não é suficiente sequer para cobrir os profissionais que há um ano ficaram por contratar com a passagem às 35 horas de trabalho semanais.

Em declarações à agência Lusa, a bastonária dos Enfermeiros recorda que em julho do ano passado se contrataram cerca de mil dos 1.700 enfermeiros que seriam necessários apenas para suprir a passagem das 40 para as 35 horas semanais, ficando a faltar 700 profissionais.

“Estas 552 novas contratações não cobrem os cerca de 700 que ficaram por contratar e deviam ter sido supostamente contratados em outubro. E além disso, já tínhamos necessidades para trás. Há serviços com camas encerradas por falta de enfermeiros”, referiu a bastonária.

Ana Rita Cavaco indica que todas as instituições do SNS têm défices de enfermeiros e que estas mais de 500 contratações estão aquém das necessidades.

“É sempre positivo a contratação, mas isto não vai resolver grande coisa, nem resolver a carência de enfermeiros com a passagem às 35 horas, nem a que já existia anteriormente”, afirmou à Lusa.

A bastonária estima que estas contratações possam começar a ter efeito na “altura da campanha eleitoral” das próximas legislativas, em outubro.

A passagem às 35 horas na saúde abrangeu enfermeiros, técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica, farmacêuticos e assistentes operacionais. Os médicos têm um regime diferente e não estiveram integrados nesta transição.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, o SNS “já tinha uma carência crónica de 30 mil enfermeiros”, tornando necessário contratar três mil profissionais por ano durante 10 anos. Além disso, para colmatar a passagem das 40 para as 35 horas de trabalho seriam necessários cerca de 1.700.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)