Rádio Observador

Brasil

Brasil autoriza extradição de um dos autores de massacre de 1977 em Madrid

Ex-militante do movimento de extrema-direita, Força Nova, que tinha 24 anos quando cometeu o crime, foi condenado em 1980 por cinco homicídios e quatro tentativas de homicídio num escritório sindical.

Juliá foi preso em dezembro de 2018 no estado brasileiro de São Paulo, onde vivia sob uma falsa identidade venezuelana

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A extradição do espanhol Carlos García Juliá, condenado por participar no massacre de advogados de esquerda cometido em Madrid, em 1977, foi autorizada na terça-feira pelo Supremo Tribunal do Brasil.

As autoridades brasileiras atenderam assim ao pedido do governo espanhol sobre a extradição do ex-militante do partido de extrema-direita Força Nova, um dos autores do massacre em que três advogados trabalhistas, um estudante de direito e um funcionário administrativo foram assassinados a tiro.

García Juliá, que cumpriu 14 dos 193 anos de prisão a que foi condenado em 1980, encontrava-se foragido e foi preso em dezembro de 2018 no estado brasileiro de São Paulo, onde vivia sob uma falsa identidade venezuelana.

A Justiça espanhola pediu ao governo que solicitasse às autoridades brasileiras a extradição de García Juliá, por entender que a sentença que lhe foi imposta não se encontrava prescrita e que lhe faltavam cumprir 3.855 dias de prisão.

Numa audiência pública realizada na terça-feira, o Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) autorizou a extradição do espanhol por considerar estarem cumpridos os requisitos necessários, como a tipificação dos crimes e a não configuração de um crime político.

Num parecer enviado ao STF, a Procuradora-Geral da República do Brasil, Raquel Dodge, recomendou a extradição ao “não verificar” que a petição apresentada pelas autoridades espanholas “foi apresentada com o objetivo de perseguir ou punir o extraditado por opiniões políticas”.

Contudo, os detalhes do processo de extradição ainda não foram divulgados.

O ex-militante do Força Nova, que tinha 24 anos quando cometeu o massacre, foi condenado em 1980 por cinco homicídios e quatro tentativas de homicídio no escritório de advocacia da organização sindical Comissões Operárias, localizado na rua Atocha, 55, no centro de Madrid.

A sentença foi limitada ao máximo de 30 anos, então previstos pela lei espanhola, e em 1991 foi-lhe concedida liberdade condicional.

Posteriormente, García Juliá obteve autorização para viajar e trabalhar na capital paraguaia de Assunção, com a condição de se apresentar mensalmente na Embaixada da Espanha no Paraguai.

O condenado desapareceu, tendo iniciado um período de fugas na América Latina. A última pista, antes de ser preso no Brasil, foi perdida na Bolívia, onde García Juliá residiu e foi preso por um crime relacionado com tráfico de drogas.

Após duas décadas com paradeiro desconhecido, o espanhol foi detido em dezembro de 2018, em São Paulo, na sequência de investigações da Polícia Nacional Espanhola e da Polícia Federal Brasileira, com o apoio da Interpol.

Carlos García Juliá foi preso ao sair de casa, na Barra Funda, um bairro de classe média da capital paulista. Os vizinhos descreveram o condenado como um homem “gentil, discreto e “educado”, conhecido pelo nome de Genaro Antonio Materan.

Segundo as autoridades, o espanhol morou no Brasil quase duas décadas e trabalhou como motorista de Uber, fazendo-se passar por cidadão venezuelano.

García Juliá chegou ao Brasil em 2001 através de Pacaraima, uma cidade pobre no estado brasileiro de Roraima, mas antes disso passou pela Bolívia, Chile, Argentina e Venezuela, com várias identidades falsas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)