Rádio Observador

Douro

O ferroviário que está de baixa há meses mas continua a explorar o bar da estação (e uma empresa de passeios e um turismo rural)

1.018

É controlador da estação do Pocinho, onde mora a troco de uma "renda simbólica". Apesar de estar de baixa, continua a explorar o bar da estação. E os outros negócios próprios que lá abriu entretanto.

picture alliance via Getty Image

Chama-se Mário Correia e é o único controlador da estação do Pocinho, literalmente o fim da linha do Douro, onde aliás mora, no próprio edifício da estação, a troco de uma “renda simbólica” paga à entidade patronal.

De acordo com a edição desta segunda-feira do Público, será mais, muito mais do que isso: além de funcionário da Infra-Estruturas de Portugal (IP), Mário Correia terá ainda a seu cargo o bar da estação, que explorará a título privado e onde será visto diariamente ao balcão; será um dos dois sócios da Dourototal Lda, uma empresa que organiza passeios  na zona, para conhecer o rio ou ver as pinturas rupestres, e terá sede justamente na estação do Pocinho; e será ainda o responsável por um turismo de habitação em Arnozelo, a cerca de 30 quilómetros de distância.

Apesar de estar de baixa médica há vários meses, por causa de “um problema numa perna”, continuará a exercer todas as restantes atividades profissionais, revela o jornal: “O Público apurou que Mário Correia costuma trabalhar na IP durante o Inverno e fica doente nos meses de Verão, com baixa médica entregue à entidade patronal”.

Da primeira vez que telefonou para o Pocinho — onde, quando apto para o trabalho, Mário Correia desempenhará funções equiparadas às de chefe de estação –, o jornalista foi informado de que o funcionário da IP estaria a fazer um passeio com clientes da Dourototal Lda num local sem rede de telemóvel, pelo que seria impossível chegar à fala com ele. Quando finalmente conseguiram estabelecer comunicação, o “ferroviário-empresário”, como é descrito pelo jornal, ter-se-á escudado no advogado e recusado prestar declarações.

O mesmo não fez a IP que, questionada sobre a acumulação de funções do funcionário/responsável pelo bar da estação do Pocinho, garantiu que o contrato de exploração do espaço do bar “não colide, à partida, com o estatuto de trabalhador, desde que sejam salvaguardados princípios relativos, nomeadamente, conflito de interesses, o que no caso em apreço se verifica não existir”.

No que toca à baixa do funcionário, a empresa começou por garantir não ter conhecimento de qualquer indício de irregularidade da situação” e por assegurar que o grupo IP se rege por um código de ética “totalmente intransigente com qualquer conduta que possa consubstanciar qualquer violação das disposições nele previstas”.

Um mês depois, e novamente confrontada com o assunto pelo mesmo meio, a IP respondeu assim: “Quando existem indícios de desconformidade entre situações de doença declaradas e documentadas e a situação efectiva existente, a Infra-estruturas de Portugal solicita aos serviços competentes da Segurança Social a verificação da situação de doença. No caso em referência, desencadeados os devidos mecanismos legais e recebido o respectivo resultado, não há lugar a demais desenvolvimentos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
271

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)