Rádio Observador

Albânia

Vídeo. Turistas espanhóis atacados por dono de restaurante na Albânia depois de saírem sem comer

914

Vídeo mostra o dono do restaurante a tentar partir o vidro do carro onde seguiam os turistas para os agredir. Um deles é Eugenio Galdón, ex-chefe de gabinete de Adolfo Suárez e ex-diretor da Prisa.

© Youtube

“Ataque selvagem e viral”, escreve La Voz de Galicia. “Uma história de terror”, acrescenta o El Confidential. Um grupo de turistas espanhóis — no qual se incluía Eugenio Galdón, conhecido empresário, ex-chefe de gabinete da presidência de Adolfo Suárez e ex-diretor de vários grupos mediáticos, como Prisa ou Cope — foi violentamente atacado pelo dono de um restaurante albanês durante as suas férias.

Tudo aconteceu no passado dia 15 de agosto quando Galdón, juntamente com outros quatro membros da sua família e ainda dois guias locais, atracou o iate em Porto Palermo, uma península no sul da Albânia, e decidiu ir comer ao restaurante Panorama que, segundo o El Confidencial, diz ter a melhor comida mediterrânica da costa. O serviço no restaurante terá demorado muito mais do que o inicialmente esperado e a família optou por ir embora — uma decisão que causou a ira do dono do estabelecimento, Mihal Kokedhima, de 51 anos, que não só saiu a correr atrás de Galdón e da família, como saltou sobre o carro onde seguiam os turistas espanhóis e começou a golpear o vidro, tentando quebrá-lo para chegar até aos ocupantes do carro.

O ataque de fúria foi motivado pelo facto de o grupo de turistas ter optado por não comer ali. Segundo Mihal Kokedhima, ou a família esperava pela comida ou pagava por ela mesmo sem a comer.

O ataque foi filmado pelos ocupantes do carro e, ao longo de cerca de 6 minutos, é possível ver Kokedhima a golpear insistentemente o vidro da viatura, chegando a perfurar parte deste já com as mãos ensanguentadas, enquanto os ocupantes nos lugares da frente, os dois guias, tentam dissuadi-lo a soltar-se. Tudo isto aconteceu com o carro em movimento, sendo que o motorista optou por ir avançando aos poucos em direção ao posto da polícia, tentando não ferir o atacante — que se segurava ao carro com uma mão e com a outra tentava quebrar o vidro.

Meios albaneses, citados pelo El Confidencial, dão conta de que Kokedhima grita ao condutor para que este pare e faz ameaças, afirmando que companheiros seguem atrás deles noutros carros. “Vá, mata-me, outros vêm atrás matar-te!”, continua a gritar. Perante isto, o condutor permanece calmo e segue em direção ao posto policial, apesar de a tensão no interior do veículo ser evidente. Quando chegam, por fim, a Saranda, cidade albanesa, Kokedhima larga finalmente o carro e a família segue caminho em direção à polícia.

Kokedhima foi detido e encontra-se em prisão preventiva, sendo que o restaurante permanece encerrado no decorrer da investigação das autoridades. Tanto Eugenio Galdón como restante família e guias saíram ilesos do ataque.

Esta não é a primeira vez que há relatos de violência associados ao dono do restaurante. Na página do TripAdvisor referente ao Panorama encontram-se comentários de utilizadores sobre episódios de agressividade protagonizados por Kokedhima — que o jornal espanhol já citado diz ser primo do milionário albanês Koko Kokedhima, nome associado à máfia. É o caso de “H H”, que, em dezembro de 2015, já escrevia que quem fosse a este estabelecimento seria provavelmente atacado pelo dono.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)