Rádio Observador

Angola

Angola quer aprender com o Chade a melhorar produção agrícola em áreas desérticas

Num encontro com Idriss Déby Itno, homólogo do Chade, o presidente angolano apelou à partilha de experiências, designadamente no que respeita à agricultura praticada em áreas desérticas.

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente de Angola, João Lourenço, que recebeu esta quinta-feira o seu homólogo do Chade, Idriss Déby Itno, apelou à partilha de experiências entre os dois países, designadamente no que respeita à agricultura praticada em áreas desérticas.

O Chade por ser em grande parte constituído por um deserto e sofrer com a falta de recursos hídricos, problemas agravados pelas alterações climáticas, desenvolveu técnicas para aprimorar a agricultura em áreas desérticas e para o tratamento de doenças raras”, destacou o chefe de Estado angolano.

Para João Lourenço, a partilha desta experiência seria “extremamente útil para debelar situações” como as que se vivem atualmente no sul de Angola, afetado pela seca.

O Presidente angolano, que falava no final de um encontro oficial como Idriss Déby Itno, no Palácio Presidencial, salientou o empenho do Governo em reforçar a cooperação bilateral para aproveitar as “enormes potencialidades em termos de recursos naturais e humanos”.

Neste âmbito, vão ser assinados acordos “que se traduzam em ações concretas, abrangendo setores como os do ensino, das ciências, da tecnologia de informação, do empreendedorismo, do ambiente, dos transportes, da energia e águas, da construção civil, dos recursos naturais, da indústria, da agricultura, do turismo, da defesa, da saúde e da cultura”.

O chefe de Estado sublinhou que os empresários chadianos podem, por isso, “encontrar no mercado angolano grandes oportunidades de negócios, quer de forma direta, quer em parceria com empresas públicas e privadas angolanas”.

A visita de Idriss Déby Itno constitiu uma “ocasião soberana” para reforçar a relação política e diplomática e dar “uma nova dinâmica” à cooperação, realçou, lembrando que muitos cidadãos chadianos “escolheram Angola para viver, trabalhar e constituir família”, sendo salutar que possam sentir-se “como no seu próprio país”.

Os dois países começam a conseguir eliminar as assimetrias que foram sendo criadas com os “momentos críticos e conflituosos” que viveram após as respetivas independências, frisou.

Apesar das políticas que vêm sendo adotadas em Angola, João Lourenço admitiu que “muito ainda há por realizar”, em especial na diversificação da economia, aumento da produção interna de bens e de serviços e aumento de empregos, uma luta que “deve ser acompanhada pela luta permanente contra a corrupção e a impunidade”.

O chefe de Estado angolano encorajou o Presidente do Chade a manter os esforços para debelar os “males internos” daquele país, como o terrorismo, a violência interétnica e a seca, elogiando o “firme combate” que Idriss Déby Itno tem travado contra “as ameaças das organizações extremistas que operam na região, que provocam o caos e a desestabilização e causam a perda de valiosas vidas humanas”.+

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)