Políticos e líderes religiosos, todos cristãos e de vários países, estão reunidos desde quinta-feira em Fátima, revelou o jornal Sol. O encontro, de programa desconhecido, foi organizado por uma rede de legisladores católicos (International Catholic Legislators Network, ICLN) que promove a formação de políticos cristãos no ativo.

Entre os participantes, segundo o jornal Sol, estarão o Viktor Órban, primeiro-ministro húngaro, Mick Mulvaney, chefe de gabinete de Donald Trump, Ignatius Aphrem II, patriarca da igreja ortodoxa síria, Yousef III Younan, patriarca na igreja católica síria e Christoph Schönborn, o arcebispo de Viena e um dos fundadores da organização ICNL.

Ao que o Observador apurou, a organização do encontro nada tem a ver com o Santuário de Fátima, que recebeu apenas um pedido do grupo para fazer algumas celebrações no santuário. O pedido foi aceite — como, aliás, é costume serem aceites todos os pedidos de grupos cristão, mesmo não sendo católicos — e o espaço foi cedido, mas sem a participação de qualquer elemento do santuário nas celebrações litúrgicas.

O grupo não está registado como peregrinação, mas é um grupo católico e as celebrações são com as portas abertas. Inclui vários cardeais importantes, incluindo muitos eleitores. É isso que faz com que não tenha sido pedido um parecer ao Vaticano sobre o pedido de utilização de espaços do santuário, por serem pessoas reconhecidamente católicas.

O evento não teve qualquer divulgação a nível nacional, sendo visto, por isso, como secreto, mas o aparato das forças de segurança junto ao hotel onde decorrem os trabalhos e na zona do santuário e o reforço das operações de vigilância em todo o país, contados pelo Sol, revelam a importância e dimensão do encontro.

Esta a décima conferência anual do organismo que, no ano passado, foi realizada em Roma. Na altura, o Papa Francisco lembrou os valores cristãos e instou os líderes políticos a atuar em conformidade. O que não estará, propriamente, a acontecer na Hungria que recusa receber migrantes e criminaliza a ajuda a refugiados. Estas políticas motivaram uma queixa da Comissão Europeia ao Tribunal Europeu da Justiça.