Rádio Observador

Ryanair

Ryanair registou “zero cancelamentos” durante a greve dos tripulantes

A companhia aérea garantiu que “operou todo o seu calendário de voos portugueses, com zero cancelamentos" durante os cinco dias de paralisação, entre 21 e 25 de agosto.

A Ryanair garante que propôs um acordo que responde às preocupações dos tripulantes e que cumpre com a lei portuguesa

SASCHA STEINBACH/EPA

A Ryanair registou “zero cancelamentos” durante os cinco dias da greve dos tripulantes, terminada no domingo, de acordo com um comunicado divulgado pela empresa esta segunda-feira.

A companhia aérea garantiu que “operou todo o seu calendário de voos portugueses, com zero cancelamentos, graças ao ótimo trabalho” dos seus pilotos portugueses e da tripulação que “não apoiou esta greve injustificada”, segundo a empresa.

Durante os cinco dias, entre 21 e 25 de agosto, a transportadora indicou que “todos os voos de/para Portugal partiram dentro do horário previsto, com uma pontualidade média de mais de 90%”, atribuindo atrasos pontuais a questões relacionadas com o controlo de tráfego aéreo.

A paralisação foi convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), com a justificação de que a Ryanair continua a “incumprir com as regras impostas pela legislação portuguesa, nomeadamente no que respeita ao pagamento dos subsídios de férias e de Natal, ao número de dias de férias e à integração no quadro de pessoal dos tripulantes de cabine contratados através das agências Crewlink e Workforce”, de acordo com um comunicado do dia 1 de agosto.

A Ryanair salientou, no mesmo comunicado de balanço, que “mantém abertura para trabalhar com o SNPVAC para chegar a um acordo” e apela “a que regressem às conversações o mais depressa possível”.

A transportadora garante que propôs um acordo de empresa que responde às preocupações dos tripulantes e que cumpre com a lei portuguesa, oferecendo aumentos nos salários “ao longo de cinco anos” e garantindo que o pessoal já recebe “remunerações bem acima das que são praticadas no mercado local”. Paralelamente, a Ryanair adiantou que pretende continuar com a forma como organiza as escalas e que implica voar em média “apenas 10 ou 12 dias por mês”.

A Lusa contactou o SNPVAC para um balanço da paralisação e aguarda resposta.

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) realizou ações inspetivas nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, durante a paralisação, na sequência da denúncia de alegadas irregularidades relacionadas com o direito à greve. “A ACT tomou conhecimento de alegadas irregularidades relacionadas com o direito à greve dos tripulantes de cabine da companhia aérea Ryanair nos aeroportos do Porto, Lisboa e Faro e desencadeou de imediato uma intervenção inspetiva”, afirmou à Lusa fonte oficial da ACT, na quinta-feira.

A Lusa questionou a Ryanair sobre as alegações de que teria cometido irregularidades durante a paralisação, com duplicação de grevistas, entre outras coisas, mas a companhia aérea não respondeu a esta pergunta.

Em 2018, a ACT detetou aspetos irregulares em outra paralisação dos tripulantes da Ryanair e deu conta de que as infrações detetadas naquela greve deram origem a três participações crime junto do Ministério Público, de acordo com a subinspetora-geral da ACT, Fernanda Campos, em declarações à Lusa, na quinta-feira. Fernanda Campos adiantou que as inspeções realizadas no ano passado durante greve dos trabalhadores da Ryanair foram detetadas infrações muito graves que levaram ao levantamento de autos notícia, cujas coimas aplicáveis podem ir até aos 215 mil euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)