Rádio Observador

Celebridades

Ângelo Rodrigues submetido a tratamento hiperbárico para evitar amputação

886

O ator já foi submetido a uma terapêutica que lhe pode salvar uma perna afetada por infeções. Primeira sessão decorreu esta segunda-feira no Hospital das Forças Armadas.

Paulo Alexandrino / Global Imagens

Ângelo Rodrigues já foi submetido a um tratamento numa câmara hiperbárica para acelerar a cicatrização das feridas, segundo o Correio da Manhã. O ator, que está internado desde 26 de agosto após ter sofrido uma paragem cardíaca, fez a primeira sessão do tratamento esta segunda-feira no Hospital das Forças Armadas. A terapêutica, que dura cerca de uma hora e quarenta minutos, serve para evitar que o ator perca uma das pernas, de onde foram retirados tecidos mortos e músculos infetados. Pelas 20h00, Ângelo Rodrigues regressou ao Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Em declarações à SIC Notícias, o diretor do Centro de Medicina Subaquática e Hiperbárica, Francisco Gamito Guerreiro, explica que o centro onde Ângelo Rodrigues está a ser acompanhado “foi criado para dar apoio aos mergulhadores e submarinistas da Armada e formação e treino aos profissionais de saúde que são chamados à área operacional”. No entanto, as infraestruturas também podem ser utilizadas por civis, que, na verdade, representam 98% dos clientes desta terapêutica no hospital.

Segundo Francisco Gamito Guerreiro, o tratamento numa câmara hiperbárica faz com que “uma porção de oxigénio maior” chegue às células, ao plasma do sangue e aos tecidos. ““O tratamento hiperbárico está fortemente recomendado em casos urgentes como intoxicações por monóxido de carbono e doenças de descompressão, ou seja, os acidentes de mergulho, que no Lumiar são cinco a seis por ano”, esclarece o médico.

Para efetuar este tratamento, Ângelo Rodrigues é colocado numa câmara com 12 lugares onde os pacientes são sentados uns à frente dos outros. “A câmara é depois pressurizada para criar o ambiente a uma determinada profundidade, uma espécie de mergulho em seco, e o tratamento começa quando é atingida a profundidade pretendida”, descreve Francisco Gamito Guerreiro. Demora 10 minutos até se atinja essa profundidade. Depois, os pacientes são expostos ao oxigénio através de máscaras durante 75 minutos.

Ângelo Rodrigues entrou em choque séptico, alegadamente depois de ter administrado incorretamente injeções de testosterona que o ajudariam a manter a forma física. Durante os dias seguintes foi submetido a três cirurgias, fez hemodiálise, por falência dos rins, e sofreu uma paragem cardíaca revertida pela equipa médica.

Irmã de Ângelo: “Não temos medo”

Mariana Rodrigues, irmã de Ângelo Rodrigues, publicou uma mensagem de apoio no Instagram: “Ensinaste-me a não ter medo de caminhos desconhecidos e, hoje, de novo juntos, a aventura é mais séria mas tu estás preparado para tudo, ditando assim a história da irmã que vê o irmão mais velho como um Herói. Que o vê como um exemplo, como um orgulho e como uma força irredutível. Não temos medo”.

A jovem agradeceu o apoio do público desde que o irmão adoeceu e diz acreditar que “o amor” que rodeia Ângelo Rodrigues o irá ajudar na recuperação: ” O amor tem um poder enorme e tu tens tanto amor à tua volta. Obrigada por me ajudares a verbalizar a palavra Amo-te. É tudo tão mais real. Agora, venha Petra”, escreveu ela numa fotografia de irmãos tirada junto à Grande Muralha da China.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)