Rádio Observador

Hip Hop

Valete anuncia mais concertos em Lisboa e Porto em dezembro, depois de esgotar Capitólio

Os bilhetes para a atuação do rapper a 14 de dezembro no Capitólio esgotaram em quatro dias. Na sequência da lotação esgotada, Valete anunciou mais um concerto em Lisboa e outro no Porto.

O rapper não dá um concerto em nome próprio em Lisboa há seis anos, embora tenha atuado mais recentemente na cidade no âmbito de festivais como o Vodafone Mexefest

JOÃO SEGURO/OBSERVADOR

A corrida às bilheteiras foi rápida e Valete não se deixou ficar. Depois de ter anunciado um concerto a 14 de dezembro no Cineteatro Capitólio, sala de espetáculos situada no Parque Mayer, em Lisboa, o rapper viu os bilhetes para o concerto — que encerrará “um ciclo na carreira de Valete” e dará início a uma fase nova, segundo a organização — esgotarem em apenas quatro dias. Como tal, foram anunciados mais dois concertos para o mesmo mês: a 15 de dezembro no mesmo Cineteatro Capitólio, em Lisboa, e a 21 de dezembro no Hard Club, no Porto.

Em junho, Valete revelou que o seu próximo álbum vai chamar-se Em Movimento e será revelado tema a tema. Depois de dar a conhecer o primeiro single, “Colete Amarelo”, o rapper revelou recentemente mais um tema do álbum, “BFF”.

Tal como o concerto de 14 de dezembro inicialmente anunciado, estes novos espetáculos contarão também com DJ Ride, que atuará antes de Valete. Nestes novos concertos, Valete terá como convidados os rappers X-Tense, Chippie e Xeg. Na primeira atuação, DJ Ride junta aos seus convidados o rapper Phoenix RDC.

Atualmente com 37 anos, o rapper que tem como nome de batismo Keidje Torres Lima afirmou-se em definitivo na música portuguesa nos anos 2000, com os discos Educação Visual (2002) e Serviço Público (2006). Nos últimos anos, manteve uma atividade musical mais intermitente, lançando singles, participando em temas em parceria com outros rappers e produtores musicais e integrando o projeto luso-brasileiro de hip-hop Língua Franca, que o juntou à portuguesa Capicua e aos brasileiros Emicida e Rael.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)