Por estes dias, PS e PSD dividem-se a reclamar a autoria da ideia de um programa que permita aos estudantes universitários fazerem intercâmbio para o interior do país. O que nenhum dos protagonistas dos partidos se lembrou de dizer foi que os deputados da esquerda, incluindo o PS, chumbaram em março um pacote legislativo onde se inseria a proposta do PSD de criar o programa Erasmus+Interior.

No sábado, António Costa aproveitou um comício em Vila Real, Trás-os-Montes, para anunciar que queria criar um Erasmus Interior, que permitisse aos alunos conhecer “outros territórios, saberes e espaços”. No domingo Rui Rio respondeu que a proposta era do PSD e já tinha quase um ano, o Erasmus+Interior. O que Rio não disse foi que a proposta já tinha sido levada à Assembleia da República, em março, e foi chumbada pelo PS, BE, PCP e PEV (com a abstenção do PAN), como recorda o Público.

Na altura, o pacote legislativo do PSD para o ensino superior tinha como objetivo reforçar os incentivos à frequência do ensino superior no interior do país e propunha a atribuição de uma bolsa de mil euros para que os alunos frequentassem um semestre numa universidade no interior do país.

Também a atribuição de uma bolsa de estudos é, aliás, um dos elementos que distingue as propostas daquilo que já existe no país: o programa Almeida Garrett. “O Programa Almeida Garrett é um programa de mobilidade interna de estudantes do ensino superior público universitário, visando promover a qualidade e reforçar a dimensão nacional do Ensino Superior. (…) Não existe a atribuição de bolsas de estudo para apoiar a mobilidade dos alunos selecionados.”, pode ler-se na página da Universidade de Coimbra dedicada ao programa de intercâmbio que abrange 15 universidades portuguesas.

Ainda que não haja obrigação de realizar mobilidade para o interior do país, a hipótese já é dada aos estudantes portugueses que o desejem, por iniciativa das instituições públicas de ensino superior com assento no Conselho de Reitores das Universidades Públicas (CRUP).