O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou “positivo para o país” a pasta que Elisa Ferreira vai ocupar na Comissão Europeia, a de Coesão e Reformas, dada a “rede de contactos e influência” que a comissária tem, mas diz que não vai “agora entrar na polémica partidária” sobre este tema.

Questionado sobre se a pasta da comissária não será uma desvantagem para Portugal, uma vez que a Elisa Ferreira não poderá agir em causa própria, como considerou a oposição, Marcelo Rebelo de Sousa revirou os olhos e respondeu:

Eu disse a minha opinião. Não vou agora entrar na polémica partidária que é inevitável que exista em tempo eleitoral. Pus-me um bocadinho acima da luta eleitoral. Pus-me na posição de pensar para além de 6 de outubro.”

O Presidente da República defendeu que a pasta de Elisa Ferreira é “importante para Portugal por várias razões”. Marcelo apontou o facto de esta pasta reunir a ideia de coesão — “Que defendemos desde sempre mas em que éramos suspeitos de defender a pensar nos fundos e, por isso, sempre se pensou que não viria para a Portugal uma pasta que envolvesse fundos e coesão. Veio“. Mas apontou também a coesão com uma ideia de sustentabilidade e de reformas estruturais.

Reunir isto tudo tudo numa só pasta…São no fundo várias pastas numa só. Penso que é imaginativo e bom para nós”, referiu ainda Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado não se poupou a elogios à comissária: “Acho que é positivo para o país e a comissária conhece muito bem o ambiente europeu. Tem muito prestígio no meio europeu. Não é uma novata”.