Rádio Observador

Lifestyle

A Escola. Do Alentejo para o Porto com a matéria na ponta da língua

A próxima edição Mesas Bohemia leva um dos mais icónicos restaurantes alentejanos ao Porto entre 27 e 29 de setembro. Chama-se A Escola e, como o nome indica, promete dar lições de bem comer.

Para muitos dos que frequentam as praias na zona da Comporta existe um ritual obrigatório de final de dia: antes do regresso à estrada e a casa, uma paragem para reabastecimento — não do automóvel mas dos viajantes — na antiga escola primária de Cachopos, nos arredores de Alcácer do Sal, transformada em restaurante por Henrique Galvão Lopes já lá vão mais de duas décadas. É n’A Escola que se ganham forças para essa viagem, por força das míticas e substanciais empadas de caça, açordas e ensopados que ali se servem.

A Escola é conhecida não apenas por esses pratos — e outros — como pelo espaço onde os serve: é uma daquelas escolas com arquitectura típica do Estado Novo, cuja estrutura exterior está intocável. Na antiga sala de aula, à entrada, ainda sobrevive o quadro em ardósia. Tanto dentro como fora, na esplanada das traseiras, a matéria entranha-se com facilidade e prazer: hoje é o genro de Henrique, Octaviano Martins, o fiel intérprete das suas receitas. É toda uma experiência, altamente aconselhável.

E é essa experiência que vai viajar até ao Porto, nos Armazéns do Cais Novo,  na Rua Monchique 45-52, entre 27 e 29 de setembro, cortesia de mais uma edição das Mesas Bohemia. Não podendo viajar a própria da escola, por motivos óbvios, viajará A Escola, o chef e alguns ex-líbris do receituário da casa. E preparem-se os alunos, que a lição promete.

Ao toque de entrada, estará sobre a mesa uma Cenoura Aberta, o pickle alentejano por excelência, em que a cenoura é cozinhada muito ligeiramente e temperada com azeite, alho, coentros e vinagre. Pão e cerveja (Bohemia, claro) a harmonizar e estará dado o mote para a matéria seguinte.

Já com a atenção dos estudantes garantida, da cozinha do professor Octaviano sairá então uma Açorda de Tomate com Enguias Fritas — um dos pratos icónicos do restaurante. As enguias são especialidade local, de Alcácer à Lagoa de Santo André, e A Escola é um dos melhores restaurantes para as comer, sobretudo devido à deliciosa acorda que as acompanham, recheada de chouriço e pão frito e com o obrigatório ovo escalfado no topo. A Bohemia Bock, e respetivas notas torradas, matará a sede — de conhecimento e não só — da turma presente.

O capítulo seguinte não virá do rio mas da terra — e até voa, mas sempre baixinho. A Perdiz na Púcara, outro dos clássicos da região e do restaurante, é um prato reconfortante que merecerá tempo e dedicação dos presentes. Só assim estes conseguirão apreciar a carne delicada da ave e deixar o pão absorver os sabores complexos do caldo. Para moderar o calor, nada como uns golos de Bohemia Puro Malte, cujo amargor vai encaixar que nem uma luva no conjunto.


Ao terceiro prato, surgirá perante a classe uma das famosas empadas da casa. Neste caso, a de Coelho Bravo, acompanhada de Arroz de Pinhão. Uma empada suculenta, com um recheio generoso, húmido, abraçado por uma massa consistente que nunca se sobrepõe e o deixa brilhar. Um prato que pedirá a encorpada Bohemia Original, cujas notas de caramelo completam a riqueza da empada. Os famosos pinhões de Alcácer voltarão a estar em destaque na sobremesa, um Doce da Casa que é tão especial como a própria casa, capaz de fazer qualquer adulto sentir-se de novo uma criança, de regresso à escola primária. Faz sentido.

Mais informações sobre esta edição das Mesas Bohemia em mesasbohemia.pt e bilhetes disponíveis para este evento irrepetível em ticketline.sapo.pt. Reserve já lugar para jantar, sexta ou sábado às 20h, ou para almoçar domingo às 13h. Preço por pessoa 30€.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)