Quando a 3ª empresa mais valiosa do planeta, pertença do homem mais rico do mundo, vai às compras, seja qual for o tipo de artigo de que necessita, a dimensão da aquisição é susceptível de impressionar. Este é o caso da Amazon e de Jeff Bezos, o seu fundador e CEO, que decidiu apostar no ambiente, adquirindo furgões 100% eléctricos para a entrega de encomendas. Mas uns que nunca foram produzidos e de que ninguém tinha, até agora, ouvido falar.

A Rivian é, no mínimo, uma empresa prometedora, sendo encarada por muitos como a nova Tesla. Os fundadores desta startup norte-americana começaram por surpreender ao conceber e desenvolver um SUV e uma pick-up eléctricos, sobre a mesma plataforma. Sobretudo porque a bateria é enorme, a potência também, tal como o espaço interior e a performance. Mas atenção, pois nem tudo é grande, uma vez que o preço é tão baixo que desesperou os concorrentes a gasolina e fez aparecer uns cabelos brancos à própria Tesla.

Já se sabia que os homens da Rivian tinham o SUV e a pick-up quase prontos para atacar o mercado, previstos ambos para 2020, a pick-up (R1T) com um preço de 69.000 dólares (62.500€) e o SUV (R1S) à venda por 72.500$ (65.700€). Valores impressionantes (de reduzidos) por se referirem a veículos capazes de ir de 0-100 km/h em pouco mais de 3 segundos (atenção Porsche Taycan…), podendo oferecer uma autonomia superior a 640 km em EPA, o método americano, que deverá ultrapassar 700 km em WLTP, uma vez que as baterias disponibilizam vários níveis de capacidade, respectivamente 105, 135 e 180 kWh.

O que ninguém sabia era que a Rivian tinha entre os seus projectos o objectivo de produzir um furgão eléctrico, uma vez que o criativo fabricante nunca a ele se tinha referido. A informação veio da Amazon, empresa que em Fevereiro investiu 700 milhões na Rivian, na mesma altura em que a Ford apostou 850 milhões (500 milhões diretos e 350 através da COX) no futuro do fabricante de veículos eléctricos. Mas Jeff Bezos não brinca em serviço e ao necessitar de uma frota de veículos eléctricos com grande capacidade de carga para as distribuições da Amazon, decidiu que o melhor era desafiar a Rivian a produzi-las. E depois de desenvolver uma pick-up e um SUV, um furgão seria a coisa mais simples do mundo.

Não são conhecidos os pormenores sobre a capacidade de carga, a autonomia e a capacidade de carga, o que se compreende uma vez que o veículo ainda não abandonou a prancheta de design. Sabe-se, sim, que o contrato com a Amazon – e aqui a companhia de Bezos está a investir numa empresa em que detém uma fatia, na esperança que seja ela a próxima Tesla – prevê que as primeiras unidades sejam entregues em 2021, para depois as 10.000 serem atingidas em 2022, com os restantes 90.000 a chegarem aos clientes até 2030.

A Amazon estima que os novos furgões eléctricos permitam poupar 4 milhões de toneladas de carbono até 2030, com a empresa a comprometer-se ainda de então já recorrer a 100% de energia renovável, e atingir os 80% já em 2024. No processo, ofereceu à Rivian um contrato no valor de 4 mil milhões de dólares.