A percentagem da abstenção pode ter aumentado nas eleições legislativas de 2019 e alcançado um valor recorde desde 1976. Entre as estimativas avançadas pelos três canais televisivos, a mais baixa percentagem de abstenção indicada foi a da TVI (43,4%) e a mais alta foi a avançada pela SIC (51,5%). Em 2015, o valor ficou nos 43%.

No entanto, estes valores não significam necessariamente que o número de eleitores que se deslocou até às urnas foi mais baixo que o verificado nas eleições legislativas de 2015. É que, desta vez, há mais um milhão de eleitores inscritos — ou seja, o universo de pessoas disponíveis para votar também aumentou — o que se traduz numa diferença de cerca de dez pontos percentuais em relação às eleições de 2015.

Nas estimativas da RTP, a abstenção deve ficar entre os 44% e os 49%, segundo o estudo da Universidade Católica. A SIC, segundo os números do ISCTE, indica uma abstenção de 47,5% a 51,5%. A TVI, com os dados da Pitagórica, afirma que a abstenção ficará entre os 43,4% e os 47,4%. Por último, a CMTV, com as indicações da Aximage, avança com uma abstenção de 44% a 48%.

Estes valores foram anunciados às 19h, quando as urnas fecharam em Portugal Continental — continuarão abertas nos Açores até às 20h de Lisboa (menos uma hora naquele arquipélago).

No lançamento destes dados, a TVI indicou uma abstenção significativamente mais baixa, na ordem dos 10 pontos percentuais, do que a dos outros canais. Era assim porque o canal não estava a contabilizar a abstenção que se verificou entre os emigrantes. Os valores foram, entretanto, atualizados.