eBay, Visa, Mastercard, Stripe e Mercado Pago anunciaram que vão retirar apoio que tinham dado à Libra, a criptomoeda que o Facebook quer lançar em 2020, noticiam esta sexta-feira vários meios de comunicação internacionais. Todas estas empresas faziam parte da “Rede Libra”, associação que a rede social formou com vários parceiros para os assuntos relacionados com a moeda digital. Há uma semana, a PayPal já tinha retirado o seu apoio à polémica criptomoeda.

A saída destes “gigantes económicos” decorre depois das críticas crescentes em torno do projeto Libra, que foi lançado em junho. A moeda do Facebook que quer fazer frente à Bitcoin tem encontrado bastantes obstáculos, de governos, supervisores bancários e financeiros e empresas.

A onda de ceticismo ligada à moeda já fez com que Mark Zuckerberg fosse de novo chamado ao Congresso americano, a 23 de outubro, onde vai prestar declarações. A audição vai chamar-se “Uma análise ao Facebook e ao seu impacto nos setores de serviços financeiros e habitação”.

Esta é a segunda vez que Mark Zuckerberg vai prestar declarações ao órgão legislativo norte-americano. A primeira vez aconteceu depois da revelação do caso Cambridge Analytica, uma empresa de análise de dados que utilizou indevidamente 87 milhões de perfis da rede social. Foi questionado por congressistas durante cerca de 10 horas. Passado pouco mais de um ano, o Facebook pagou uma coima multimilionária de cinco mil milhões de dólares (cerca de 4,5 mil milhões de euros) para fechar o caso.

A moeda digital que o Facebook quer lançar, e que já foi apelidada por políticos como “uma ameaça ao dólar”, vai permitir efetuar transações virtuais entre pessoas e organizações sem intermediários. Além disso, a rede social criou também uma subsidiária chamada “Calibra” para o investimento nesta moeda digital.