Lembra-se do asteróide ‘Oumuamua, que ficou famoso por ter a forma de um charuto? Tratava-se de um objeto interestelar detetado em 2017 com um telescópio no Havai. Agora, e de acordo com a revista científica Nature Astronomy, foi localizado no Sistema Solar um segundo objeto interestelar, desta vez um cometa.

Chama-se “2I/Borisov” e foi identificado pelos especialistas a 8 de setembro, depois de a 30 de agosto um astrónomo amador, Gennadiy Borisov, natural da Crimeia, ter localizado um objeto estranho no céu.

Após análises aos dados recolhidos, mediante observações com telescópios em Espanha e no Havai, astrónomos profissionais concluíram que o objeto provém de outro sistema solar desconhecido, dada a sua órbita em forma de hipérbole. 

O cometa “2I/Borisov”, batizado em homenagem à pessoa que primeiro o detetou, entrou no sistema solar a uma velocidade de 32 quilómetros por segundo e é formado, essencialmente, por poeira ligeiramente avermelhada, na cauda, tendo o seu núcleo sólido cerca de um quilómetro de diâmetro. 

Há dois anos, a descoberta do primeiro cometa interestelar, ‘Oumuamua, gerou muito interesse não apenas por ser o primeiro objeto conhecido que vem de outro sistema estelar, mas também pela sua forma e comportamento estranhos, o que deu origem a um debate sobre sua possível origem extraterrestre.

O asteróide ‘Oumuamua viajava a uma velocidade muito elevada, tinha uma forma alongada – que lembra um charuto – e, ao contrário do que é habitual nos cometas, não emitia gases, apesar de estar perto do Sol quando foi descoberto. Quando os cometas se aproximam do Sol, o gelo que os compõem transforma-se em gás, visível também na cauda.

Após essa descoberta, uma equipa de cientistas polacos liderados por Piotr Guziz desenvolveu um programa de computador específico apelidado de Interstellar Crusher para encontrar outros cometas interestelares no sistema solar. A 30 de agosto foi emitido um alerta a localizar o “2I/Borisov”, o segundo cometa interestelar descoberto.

No entanto, conforme detalhado esta semana na revista Nature Astronomy, a sua aparência não é extravagante e parece-se muito com os cometas do nosso sistema.

“Realmente não possui nenhuma característica específica. Parece um cometa típico do Sistema Solar”, explicou ao El Mundo Piotr Guzik, investigador da Universidade Jagiellonian em Cracóvia.

O cometa “2I/Borisov” poderá ser observado melhor a 28 de dezembro quando estiver mais próximo do planeta Terra a 1,94 Unidades Astronómicas, o equivalente a 300 milhões de quilómetros.