Joana Alegre, filha do escritor e político Manuel Algere, foi uma das vozes que passou pelo The Voice esta semana. A deputada pela assembleia municipal de Lisboa interpretou “Jenny of Oldstones”, um tema de Florence & The Machine incluído na banda sonora de Game of Thrones, que fez virar as quatro cadeiras do júri em sinal de aprovação.

Esta não é a sua primeira incursão na música. Aos 33 anos, Joana Alegre tem já algumas músicas editadas, incluindo “E Agora?”, o tema a que dá voz ao lado de Mikkel Solnado. Na prova cega do The Voice, o programa de talentos musicais que vai para o ar na RTP1 aos domingos, a concorrente convenceu todos os jurados com a música folk composta por  Ramin Djawadi.

Marisa Liz, vocalista da banda Amor Electro, foi a primeira a carregar no botão vermelho e a virar a cadeira à voz da concorrente, que levava apenas 20 segundos de prestação. Também os cantores Áurea, António Zambujo e Diogo Piçarra, vencedor da edição de 2012 do Ídolos, premiram o botão.

Com quatro aprovações, coube depois à concorrente escolher um dos jurados para mentor durante a permanência no programa. Tanto Marisa como Diogo Piçarra mostraram conhecer a sua obra musical.  No final, os elogios de Diogo Piçarra valeram-lhe o voto de confiança e Joana Alegre integrará a equipa do cantor pop português.

Joana Alegre editou em 2016 o álbum Joan and The White Hearts, que inclui o tema “Cavalo Branco”, poema do pai Manuel Alegre. Além da música, segue a carreira de deputada pela Assembleia Municipal de Lisboa a título independente, mas é na arte que tem o sonho. “Para mim [vencer o The Voice] é uma oportunidade única de mudar a minha vida, consagrar-me e poder viver dos meus sonhos sem comprometer a estabilidade da minha família”, disse a concorrente.