A Alemanha é o paraíso para os que gostam de conduzir mais depressa, uma vez que, excepto pontualmente, não há limites de velocidade nas auto-estradas. Isto apesar de haver cada vez mais zonas em que apenas é permitido circular até 130 km/h e às vezes menos. Porém, isso só acontece em locais em que habitualmente o tráfego é mais intenso, em nós de auto-estrada mais complexos e mais dados à ocorrência de acidentes ou, então, em zonas em obras.

Não é a primeira vez que se tenta impor um limite máximo de velocidade para este país muito dependente da indústria automóvel, onde poder circular a 250 ou 300 km/h, se as condições o permitirem, é considerado pela maioria como um acto de liberdade. Contudo, isso não impediu o partido Os Verdes, com assento no parlamento, de apresentar mais uma proposta para alterar esta realidade, com o argumento que facilitaria o trânsito, aumentaria a segurança e diminuiria a poluição.

Segundo a Deutsche Welle, a proposta que visava impor o limite de 130 km/h foi votada e, dos 631 votos contabilizados, 498 deputados manifestaram-se contra o projecto. Já antes, em Janeiro, o Governo de Angela Merkel tinha afastado a possibilidade de impor um limite tão impopular, com o ministro do Ambiente a afirmar então que a redução da pegada de carbono do país beneficiaria muito pouco com a redução da velocidade.

Salientam os alemães que 30% das auto-estradas locais já têm algum tipo de limite de velocidade, valor com tendência para aumentar em virtude do tráfego estar cada vez mais intenso. Assim sendo, a Alemanha vai continuar a ser o único país europeu sem limite de velocidade, limite esse que oscila entre 120 e 130 km/h nos países vizinhos.