Para chegar a campeão do mundo de F1 é preciso ter valor e sorte, mas conquistar o ceptro mundial seis vezes, tornando-se no piloto que mais títulos alcançou, logo atrás dos sete de Michael Schumacher, é obra. Pode esquecer o factor “sorte”: é necessário muito trabalho, desde muito novo, e um investimento descomunal, que Hamilton só conseguiu custear com a ajuda da McLaren e da Mercedes, que o apoiaram desde tenra idade.

Mas há uma possibilidade de qualquer um, sem ter de pôr um pé num circuito e a partir do conforto do seu sofá favorito lá de casa, se bater com o campeão mundial da disciplina rainha do desporto automóvel. Tudo graças aos simuladores de condução. Há muito que este tipo de jogo deixou de ser apenas um brinquedo.

As versões mais sofisticadas dos simuladores são usadas pelas equipas para testar pilotos e carros, adaptando-os aos circuitos sem obrigar a uma deslocação até eles, poupando assim tempo e dinheiro. As versões mais acessíveis permitem brincar, mas também medir forças com amigos, em confronto directo em pista, ou até mesmo com desconhecidos a viver no outro lado do mundo, disputando campeonatos virtuais.

O simulador de condução mais conhecido do grande público é o Gran Turismo Sport, que agora se associou a Lewis Hamilton. Este popular jogo de entretenimento da Sony vai possibilitar a qualquer entusiasta da competição cronometrar uma volta a determinada pista, fruto dos 10 desafios agora associados ao jogo.

Do rápido e mais fácil de pilotar Mercedes-AMG GT3 ao impressionante Sauber Mercedes C9, com que a equipa suíça venceu as 24 Horas de Le Mans em 1989, pode escolher a máquina com que quer medir meças com o campeão. Batê-lo ao não, depende apenas de si. E conte com um custo extra para ter acesso a actualizações com mais circuitos e carros, incluindo o privilégio de poder ser mais rápido do que Lewis Hamilton.