A angolana Isabel dos Santos mudou residência para o Dubai e passou a assumir cidadania russa, revela o Expresso, este sábado, citando documentos no registo comercial de Malta. Segundo o jornal, terá sido o advogado Jorge Brito Pereira que apresentou, em novembro, um registo de alteração de dados dos acionistas da Finisantoro Holding, a sociedade sediada em Malta que é acionista do EuroBic) — uma alteração para os nomes de Isabel dos Santos e, também, do marido, Sindika Dokolo.

O casal passou, conforme esse novo registo, a ter residência na Almas Tower, no Dubai. Mas um pedido de registo anterior, também depositado pelo mesmo advogado em Malta mas para a Kento Holding (que, entre outros investimentos, tem a participação na NOS), aponta a morada de Isabel dos Santos e do marido como sendo na luxuosa zona de Jumeirah Bay, também no Dubai. Este foi um pedido de registo feito em junho.

Isabel dos Santos já recorreu às redes sociais para comentar a notícia do Expresso, justificando-se que não faria sentido alguém que “está fora de Angola há muito tempo” manter essa residência fiscal. Isso seria “mentir numa declaração fiscal”, diz a angolana, queixando-se de “perseguição política” — “isto não é notícia”, afirma.

Na noite de sexta-feira, o jornal Público difundiu o conteúdo de uma entrevista por escrito feita à filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos. Nessa entrevista, Isabel dos Santos diz que o arresto decretado às suas contas bancárias e participações em empresas — a par das do seu marido, Sindika Dokolo, e do gestor português Mário Leite da Silva — “abrange um património superior a dois mil milhões de euros, pelo que satisfaz, em excesso, a medida preventiva requerida em Angola”. Assim, a empresária angolana não vê razões para uma medida semelhante ser replicada em Portugal.

Antes dessas declarações, numa entrevista também por escrito ao Negócios, esta sexta-feira, a empresária angolana dizia que o arresto contra ela era uma forma de “mascarar o fracasso” da política económica de João Lourenço, o atual Presidente de Angola, reafirmando que o processo é apenas político e acusando o Ministério Público de sustentar a decisão em acusações falsas.

Em entrevista ao Observador, a 20 de dezembro, Isabel dos Santos negou ter sido favorecida pelo pai, falou das acusações de irregularidades no EuroBIC e contou que não vai a Angola há mais de um ano porque tem medo.