Um grupo de alegados “hackers” iranianos “invadiu” o site de uma agência governamental norte-americana, como forma de retaliação pelo ataque aéreo que matou  Qassem Soleimani. “Isto é apenas uma pequena demonstração da capacidade informática do Irão”, alertaram.

Segundo o The Guardian, a  página do Programa do Repositório da Biblioteca Federal (em tradução livre) foi substituída por outra intitulada “Iranian Hackers” (hackers iranianos). Na página encontrava-se em destaque uma imagem do presidente norte-americano, Donald Trump, a ser esmurrado por um punho que surgia da bandeira iraniana e ilustrações de Ayatollah Ali Kamenei, líder supremo iraniano.

“Trump maluco” vem aí “um dia negro” para os Estados Unidos, avisa a filha de Soleimani, o general iraniano morto por drone norte-americano

“Com o poder de Deus, a severa vingança não tardará e espera os criminosos que mancharam as suas mãos imundas com o sangue dele [de Soleimani]” podia ler-se no website no qual os “hackers” deixaram também a “garantia” de que o “mártir” seria “recompensado pelos vários anos de esforços impecáveis”. Pouco tempo depois de ter sido “hackeada”, a página ficou indisponível.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um oficial norte-americano envolvido na cibersegurança do país confirmou o incidente à CBS News, mas desvalorizou-o. “Este evento não significa nada”.  O oficial referiu que os “atacantes” se tratam de simpatizantes do regime iraniano, mas que não têm ligações diretas com o governo.

O ciberataque surge dois dias depois da morte de Qasseim Soleimani – um dos mais poderosos homens do Irão e do Médio Oriente por ordem de Donald Trump. O governo iraniano jurou vingança.

Como Trump decidiu a morte de Soleimani: os detalhes de um ataque planeado em Mar-a-Lago