O ano de 2019 não acabou propriamente bem para a Juventus e para Cristiano Ronaldo. A equipa de Maurizio Sarri perdeu a Supertaça italiana para a Lazio, numa final disputada na Arábia Saudita, e o jogador português perdeu consequentemente a primeira final em que participou desde 2014. Ainda assim, infortúnios desportivos à parte e como só ele sabe fazer, Ronaldo terminou o passado ano civil a conquistar o prémio de Jogador do Ano nos Globe Soccer Awards e ainda teve tempo para dar uma entrevista onde lançou mais uma frase que foi notícia no mundo inteiro.

“A vida depois do futebol é um ponto muito importante. Estou a preparar-me porque acho que vou viver mais cinquenta anos. Há que estar preparado para encarar novos obstáculos. Fazer coisas que ainda não sei. Por exemplo, participar num filme de Hollywood. Era algo de que gostava. Mas tenho de ter uma boa preparação. Tenho de ter um inglês top. Tenho de ter uma performance top“, disse o jogador à TVI, precisamente à margem dos Globe Soccer Awards, que decorreram no Dubai, deixando perceber desde logo que olharia para uma prestação enquanto ator de cinema como olha para cada jogo de futebol.

Sonhos cinematográficos à margem, Cristiano Ronaldo e a Juventus regressavam esta semana à competição — durante a tarde de uma segunda-feira, já que em Itália é feriado no Dia de Reis. A equipa de Sarri recebia em Turim o Cagliari, um conjunto que nas últimas temporadas tem lutado para não descer mas este ano está em lugar europeu e a catalisar a qualidade e o entrosamento de Giovanni Simeone, filho de Diego, João Pedro Galvão, ex-jogador do Estoril, e ainda o experiente Nainggolan, que passou pela Roma e pelo Inter Milão. Para suster precisamente o ímpeto do trio ofensivo do Cagliari, a Juventus optava esta segunda-feira por reforçar o meio-campo, apresentando-se com um robusto bloco com Rabiot, Pjanic, Matuidi e Ramsey, e com Ronaldo e Dybala na frente, com Higuaín a começar no banco.

A necessidade de vencer o Cagliari esta segunda-feira, para a Juventus, acabava por ser motivada por dois motivos ligados entre si. Em igualdade pontual com o Inter Milão na liderança da Serie A, a Juventus tinha de ganhar para não arriscar ficar para trás em cenário de vitória da equipa de Antonio Conte; ao mesmo tempo, ao vencer, a Juventus pressionava um Inter que ao final do dia visita o Nápoles que, estando longe do nível que apresentou nas últimas três épocas, é ainda capaz de causar muitos estragos.

Cristiano Ronaldo apareceu no primeiro jogo de 2020 com um novo penteado e um iPod que está longe de pertencer a esta década

Contra o Cagliari, mais do que a vitória, Cristiano Ronaldo procurava quebrar dois registos: marcar pela primeira vez em cinco jogos consecutivos desde que chegou a Itália e bater a única equipa que defrontou na Serie A sem marcar qualquer golo. O jogador português — que se apresentou no primeiro jogo de 2020 com um novo penteado e com um iPod muitos modelos abaixo dos atuais — não conseguiu fazer desaparecer os dois enguiços até ao intervalo, apesar de ter beneficiado de uma boa oportunidade de cabeça à meia-hora. Demiral cabeceou à barra (35′), numa primeira parte que foi totalmente dominada pela Juventus mas onde o Cagliari se mostrou muito organizado na defesa, mas a equipa de Maurizio Sarri foi mesmo para o balneário ainda empatada a zero.

A segunda parte só precisou de esperar quatro minutos, porém, para ver a Juventus colocar-se em vantagem e Cristiano Ronaldo alcançar os dois registos que estavam em causa. O jogador português aproveitou um erro de comunicação entre os dois centrais do Cagliari para recuperar uma bola à entrada da grande área, fintar o guarda-redes e abrir o marcador (49′). De repente, fruto de um sentido de oportunidade louvável, Ronaldo marcava pela quinta jornada consecutiva pela primeira vez e estreava-se a apontar golos à equipa da Sardenha — assinando ainda o primeiro golo da Juventus em 2020.

O Cagliari ainda ficou perto do empate, com um cabeceamento de Simeone que Szczęsny defendeu (60′), mas acabou por ser a Juventus a aumentar a vantagem — e novamente por intermédio de Cristiano Ronaldo. Dybala foi derrubado em falta já dentro da grande área e na conversão, sem dar qualquer hipótese ao guarda-redes Olsen, o jogador português fez o segundo da conta pessoal e o segundo da conta da Juventus (67′). Higuaín, que entretanto havia entrado para o lugar de Dybala, ainda foi a tempo de entrar na ficha de jogo com uma assistência de Ronaldo (81′) e o português selou o hat-trick após passe de Douglas Costa (82′), engrossando o recorde que já lhe pertencia de jogador com mais hat-tricks para o Campeonato nas cinco principais ligas (36, contra 34 de Messi).

A equipa de Sarri goleou o Cagliari por 4-0 e fica agora à espera de saber o que faz o Inter Milão em Nápoles para perceber se é líder isolada da Serie A ou se continua a dividir o primeiro lugar com o conjunto de Antonio Conte. Pelo meio, Cristiano Ronaldo entrou em 2020 da mesma forma que se despediu dos anos anteriores: a marcar golos, a quebrar os próprios registos e a valer vitórias.