Os democratas da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos revelaram esta terça-feira uma carta manuscrita em que Donald Trump pede ao presidente da Ucrânia para anunciar uma investigação a Joe Biden e ao filho, noticiam jornais norte-americanos como o The New York Times. A mensagem foi escrita num pedaço de papel com o carimbo do Hotel Ritz-Carlton em Viena e fiz: “Faz com que o Zelensky anuncie que o caso Biden vai ser investigado”.

Os documentos podem ser consultados na página do Comité Permanente de Espionagem da Câmara dos Representantes e inclui mensagens trocadas entre Donald Trump, o advogado pessoal do presidente, Rudolph W. Giuliani, e um sócio deste último, Lev Parnas; assim como as comunicação entre Lev Parnas e Yuriy Lutsenko, procurador ucraniano que estava a ajudar o advogado a obter informações sobre Biden e o filho.

Numa troca de mensagens entre Yuriy Lutsenko e Lev Parnas no WhatsApp, o procurador diz ter urgência na demissão da embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, Marie L. Yovanovitch. “Se não fizerem alguma coisa em relação à senhora, estão a colocar em questão todas as minhas acusações. Incluindo sobre B”, referindo-se a Joe Biden. “Ela não é parva, juro. Mas não se vai embora”, acrescentou.

Outra comunicação relevante entre esses documentos é uma carta de maio do ano passado em que Rudolph W. Giuliani se dirige a Volodymyr Zelenski como “conselheiro pessoal do presidente Trump” e pede ao recém-eleito presidente ucraniano um encontro “com o conhecimento e consentimento” do líder da Casa Branca.

Estes documentos foram entregues à Câmara dos Representantes pelo próprio Lev Parnas. Numa declaração oficial citada pelo The New York Times, os democratas dizem que estes conteúdos “demonstram que há mais provas relevantes para o esquema do presidente, mas foram ocultados pelo próprio”. “Não pode haver um julgamento completo e justo no senado sem os documentos que o presidente Trump se recusa a fornecer ao Congresso”, afirmou.

A publicação das mensagens acontece na véspera de os democratas enviarem para o senado dois artigos relativos ao processo de impeachment do presidente norte-americano. Ainda esta quarta-feira, Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, deverá liderar uma votação para indicar os procuradores responsáveis por enviar esses documentos para o senado.