O pedido de independência dos duques de Sussex e a vontade de deixarem de ser “membros séniores” da família real britânica — assunto que muita tinta fez correr — lançou, entre muitas conversas, um debate em particular: foi Meghan Markle vítima de uma cobertura noticiosa tendenciosa?

Há poucos dias o site Buzzfeed fez uma compilação de 20 manchetes que permitiram comparar o tratamento dos jornais relativamente a Meghan e a Kate Middelton, mostrando uma diferença vincada e desfavorável para a mulher do príncipe Harry. Agora é o The Guardian que publica os resultados da própria pesquisa: a duquesa de Sussex teve mais do dobro de manchetes negativas do que positivas, isto tendo em conta os artigos publicados entre maio de 2018 e meados de janeiro de 2019.

A análise em questão — que parece dar razão ao argumento de Meghan, isto é, de que ela foi alvo de um tratamento muito crítico por parte da imprensa britânica — mostrou que, dos 834 artigos de 14 jornais analisados, 43% eram negativos, 20% eram positivos e 36% neutros.

Os resultados apontam ainda para a seguinte análise: Meghan é mais criticada do que Kate Middleton. Atendendo apenas à forma como a imprensa tem olhado para a duquesa de Cambridge, em igual período, percebe-se que das 144 vezes que Kate foi mencionada nas notícias, 45% das manchetes tinham um tom positivo, 47% eram neutras e apenas 8% negativas.