“A quem é que vamos devolver o património?”, interroga-se a historiadora Raquel Henriques da Silva, depois de o Livre ter proposto restituir bens culturais das ex-colónias aos países de origem. A diretora científica do Museu do Neorrealismo sublinhou a importância de conhecer os interlocutores desta medida, porque, “em geral”, os políticos destes países não lhe “permitiriam o menor sinal de confiança”.

Em entrevista à rádio Observador, que pode ouvir aqui, a académica começou por dizer que a proposta tem “uma carga política excessiva” para um tema cultural e acusa o partido de ser populista. Acrescenta ainda que a forma “solitária, provocatória e bombástica” como foi apresentada na Assembleia da República por Joacine Katar Moreira, deputada única do partido, é “para provocar reações mais do que [para] fazer trabalho”.

Joacine sugeriu a criação de uma comissão multidisciplinar para poder listar os bens culturais a ser devolvidos e “descolonizar” os museus e monumentos nacionais. Raquel Henriques da Silva sugere que, em primeiro lugar, o partido crie “um consenso” na assembleia, e acrescenta que só depois deve conhecer os interlocutores e criar grupos de trabalho com os técnicos dos museus dos países que têm interesse em integrar o património. A historiadora apontou o Museu Nacional de Etnologia e o Museu Nacional de Arqueologia como as principais instituições a ser integradas na comissão por terem as mais importantes coleções africanas do país.

Raquel Henriques da Silva acrescentou ainda que os grupos de trabalho não devem ser formados por “ativistas políticos”, mas sim por especialistas e técnicos portugueses, angolanos e moçambicanos.

No entanto, a diretora científica do Museu do Neorrealismo, frisou que “a grande cultura é transnacional” e que “os patrimónios não devem estar fechados em pátrias, em lugares com fronteira”.