É mais um recorde espacial. A astronauta norte-americana Christina Koch regressou a Terra esta quinta-feira e tornou-se a mulher que mais tempo consecutivo passou no espaço. A estadia de Christina Koch ao longo de 328 dias na Estação Espacial Internacional servirá para estudar o comportamento do organismo em longas estadias fora da Terra, uma tarefa fundamental para as arrojadas missões tripuladas que a NASA planeia para a Lua e para Marte.

Ao longo de todo esse tempo, Christina Koch completou 5.248 voltas completas à Terra, o que equivale a uma caminhada de 224 milhões de quilómetros — o suficiente para ir e voltar à Lua 291 vezes. Passou 42 horas e 15 minutos em passeios espaciais fora da Estação Espacial Internacional e comunicou com astronautas de três expedições diferentes, da Europa, dos Estados Unidos e da Rússia.

No total, Christina Koch passou os últimos 11 meses a participar em 210 investigações sobre o efeito da radiação espacial e da gravidade zero, mas também da solidão e do stress de longas missões, na saúde humana. Um dos estudos mais importantes em que a astronauta participou foi na compreensão sobre como os músculos se degradam e os ossos da coluna vertebral enfraquecem no espaço. Além disso, Christina Koch também participou em investigações sobre novos medicamentos contra o cancro — alguns dos quais muito promissores.

A astronauta norte-americana também esteve no primeiro passeio espacial executado exclusivamente por mulheres com a colega da NASA Jessica Meir. Foi uma viagem atribulada que só se realizou à segunda porque a agência espacial norte-americana não tinha fatos espaciais com o tamanho adequado para as duas cientistas.

Esta quinta-feira também foi dia de regresso a casa para Luca Parmitano, astronauta da Agência Espacial Europeia, e para o cosmonauta Alexander Skvortsov da Roscosmos. Os três exploradores aterraram na cidade de Dzhezkazgan, no Cazaquistão, às 05h50 de Portugal Continental. Os primeiros exames a que foram sujeitos indica que estão bem de saúde.