Um grupo de piratas informáticos da Cyberteam, do qual fazem parte pelo menos um português e um brasileiro, invadiu os sites oficiais de dez cidades do estado brasileiro da Paraíba, no domingo, com o objetivo de denunciar uma rede internacional de pornografia infantil e pedofilia, avançou o La Repubblica.

“Já informámos a polícia e algumas autoridades locais, mas nem sequer nos responderam”, explicou o líder do grupo, acrescentando que a operação #OPPedoGate tinha como objetivo forçar as autoridades a intervir.

Spy_Unkn0wn (nome adotado pelo líder do grupo no Twitter) e o resto do grupo, já conhecidos por “invadir” páginas online institucionais, juntaram dezenas de links de sites de várias partes do mundo nos quais são publicadas imagens de pornografia infantil e publicaram-nos em sites institucionais, que entretanto já voltaram ao normal.

Segundo o jornal italiano, os sites institucionais brasileiros foram modificados de forma a mostrarem as páginas de internet que, segundo os hackers, promovem pornografia infantil, bem como o nome, a morada e outros dados de pedófilos. A lista foi ainda acompanhada por uma série de sugestões para identificar pedófilos e pelo nomes de organizações nacionais às quais os casos podem ser denunciados.

Em declarações ao Correio da Manhã, os piratas informáticos explicaram que muitos dos sites pornográficos se faziam passar por “agências de modelos para adolescentes, conseguindo assim fotografias e vídeos de crianças na praia, a dormir”.

O grupo de hackers já tinha avisado no Twitter, no dia 29 de janeiro, que ia expor mais de 100 sites de pedofilia.

No mês passado, o mesmo grupo invadiu o site da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) em defesa do hacker Rui Pinto.