454kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Será um hotel? Um restaurante? É o Wood, o topo de gama dos coworks

Este artigo tem mais de 2 anos

No primeiro espaço de cowork que projeta, o atelier AnahoryAlmeida criou um espaço onde nos sentimos em casa. Entre tecnologia de ponta e detalhes que evocam os anos 60 encontramos o Wood.

20 fotos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se em tempos Lisboa teve cenários dignos de um “Mad Men” à portuguesa, certamente o número 32 da Rua Mouzinho da Silveira foi um deles. Originalmente erguido em 1965, o antigo aglomerado de escritórios sofreu uma inesperada transformação, com o cunho da dupla Ana Anahory e Felipa Almeida. Das mesmas mãos que projetaram espaços como os restaurantes Belcanto e Marisqueira Azul e como o hotel São Lourenço do Barrocal, nasceu o Wood. Na liga dos espaços de cowork, este é um verdadeiro topo de gama.

Intacta, a fachada é muito mais que um cartão de visita. As cores, os materiais e as texturas do interior funcionalista absorvem aqueles que foram os acabamentos escolhidos há mais de 50 anos. A cidade era outra, mas não há nada que não se possa revisitar à luz da contemporaneidade. O uso inusitado da pastilha — as pequenas quadrículas que vulgarmente associamos ao revestimento de fontes e piscinas — é o exemplo mais claro. É preciso subir ao primeiro piso, o único organizado em open space, para encontrar uma floreira no mesmo material — afinal, as plantas foram ponto assente, desde o primeiro mood board.

Entre a fachada dos anos 60 e os novos interiores existem elementos em comum, a começar pela pastilha, facilmente reconhecível pelo revestimento de piscinas

Francisco Nogueira

Mas o rasto de pastilha guia-nos para um outro espaço, bem menos exposto — os balneários, cuja função se torna clara ao descobrirmos que o Wood dispõe de estúdio de yoga com três aulas por semana e capacidade para dez pessoas. Aqui e ali, a dupla AnahoryAlmeida desenhou elementos decorativos responsáveis por harmonizar os diferentes espaços deste prédio de oito andares. A existência de um padrão — repetido em portas, armários, candeeiros e puxadores — é outro dos exemplos.

Por outro lado, há detalhes levemente datados que trazem a este espaço do século XXI um charme de outros tempos. Depois de décadas como parente pobre dos materiais usados em interiores, o marmorite regressou em força, aqui utilizado no chão da principal área social do Wood. No piso térreo, a área de convívio e refeições podia perfeitamente ser mais um cafetaria de brunches da moda, mas não é. É um espaço acolhedor, onde ressaltam as plantas e os sofás em pele e as condutas no teto foram totalmente integradas no ambiente.

A sala de convívio é a coqueluche do Wood, com sala de reuniões e uma copa

Francisco Nogueira

“Triste, cansado e com pouca identidade” — é assim que Ana Anahory e Felipa Almeida descrevem o interior do edifício, na primeira vez que aqui entraram. A laborar desde 2011, o atelier nunca tinha projetado um espaço de cowork. No que toca a metros quadrados, o Wood é ainda o maior projeto assinado pela dupla em Lisboa, o segundo maior de todo o portfólio. Questões como a insonorização de salas de reuniões e gabinetes, onde a cortiça fez milagres, e de phone booths e a iluminação, que se quis confortável e caseira e, ao mesmo tempo, indicada para trabalhar, foram novas prioridades.

As estas somam-se outros tantos pormenores que, tratando-se do novo espaço de trabalho premium de Lisboa, não podiam ser deixados ao acaso. Entre o segundo e o oitavo andares, as áreas foram compartimentadas em gabinetes (as capacidades variam entre duas e oito pessoas num total de 45 divisões), todos eles com janelas para a rua e entre si. Equilibrar luz natural e privacidade foi um trabalho exigente para a dupla — as aberturas  entre escritórios ficam a 1,10m do chão, altura mais do que suficiente para fazer amigos, mas que impede que os coworkers espreitem o ecrã do vizinho.

O projeto em números

Mostrar Esconder
  • Área: 2.000 m²
  • Ano de finalização: 2019
  • Período de construção: 11 meses
  • Detalhe: a pastilha na fachada original, habitualmente vista no revestimento de piscinas, foi usada no interior
  • Arquitetos: AnahoryAlmeida

Phone Booths, azulejos, móveis em segunda mão, plantas e luz natural – o cartão-de-visita do Wood

Francisco Nogueira

Um dos mais notáveis detalhes do projeto está a um lance de escadas de distância para quem entra no edifício. A revestir a parede dos elevadores e da escadaria há um puzzle de pequenas peças de madeira, arte dominada pelo estúdio de design Woometry, com oficina nos arredores de Lisboa. No total, foram cortadas e aplicadas cerca de 40.000 losangos, num trabalho que exigiu planeamento e minúcia e que chegou às parede dos restaurante ao lado. Fora da gestão do cowork, o Selllva também é um projeto com a assinatura AnahoryAlmeida. Entre os pontos de ligação estabelecidos com o Wood, está o trabalho de Henriette Arcelin, cujas telas de inspiração naturalista, 12 no total, aquecem as várias salas de reuniões.

Mas este Wood não é só madeira. Foi pensado como a junção das palavras “work” (trabalho) e “good” (bom) e, para isso, não são apenas a arquitetura e o design a contribuir. O edifício está aberto 24 horas por dia e, além de um estúdio de yoga, dão-se já os retoques no beauty center, cujo rol de serviços vai incluir manicure, pedicure, barbeiro e cabeleireiro. As massagens, consultas de osteopatia e sessões de aromaterapia e reflexologia também têm um espaço próprio. Indispensável à vida no Wood é a aplicação especialmente desenvolvida para os coworkers — pode ser usada para reservar salas de reuniões, marcar aulas, serviços e tratamentos e até encomendar fruta e legumes frescos.

O Wood está ligado ao restaurante Selllva pela criatividade de Ana Anahory e Felipa Almeida (fotografia do restaurante por Cristiana Morais)

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Com capacidade para 220 pessoas, a lotação do Wood ronda, neste momento, os 80%. As mensalidades variam entre os 190 euros, preço para uma mesa lounge em open space, e os 3.280 euros, valor a pagar por um escritório para oito pessoas. Para breve está a abertura de um terraço com acesso a partir do primeiro andar. Com projeto já feito mas sem data para avançar está a reabilitação do rooftop para fins de lazer.

“Portfólio” é uma viagem ao pormenor dos ambientes, espaços e projetos mais inspiradores.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.