Tem 44 anos, é professor de fagote na Escola Superior de Artes e do Espetáculo (ESMAE), no Porto, e tornou-se esta quarta-feira no quinto caso positivo de coronavírus em Portugal, confirmou o Observador. O docente  está internado no Hospital de S. João, no Porto, “com uma situação clínica estável” e terá sido infetado durante a sua estadia em Itália, na cidade de Bérgamo, onde se deslocou para lecionar uma masterclass.

O professor esteve nas instalações da ESMAE depois da viagem e manteve contacto com algumas pessoas. “Vamos suspender a atividade letiva a partir de quinta-feira porque o número de pessoas que temos em isolamento social não nos permite continuar a manter a escola a funcionar. Não estão infetadas, atenção, estão apenas em isolamento social”, adiantou à Lusa o presidente do Instituto Politécnico do Porto (IPP), João Rocha, onde está integrada esta escola, reforçando que o estabelecimento de ensino não vai encerrar, mas apenas suspender as aulas.

O presidente do IPP adiantou que as “poucas dezenas” de pessoas que estão em isolamento social por terem estado em contacto com o quinto caso confirmado no país são professores, alunos e funcionários e que a interrupção das aulas causa “naturalmente” transtornos. O responsável referiu ainda que, a partir de agora, a instituição vai avaliar diariamente se tem ou não condições para retomar a atividade normal.

Apesar de não se verificarem sintomas por parte de alunos, professores ou funcionários, a escola, com cerca de 600 pessoas, decidiu esta tarde, por precaução, suspender as aulas até ao dia 18 de março. “Estamos a tomar todas as medidas recomendadas pelas unidades de saúde”, asseguram no e-mail enviado internamente.

António Augusto Aguiar, presidente da ESMAE, enviou uma circular interna – segundo o JN – na qual dava conta que, “durante o período de encerramento, apenas poderão entrar nas mesmas os trabalhadores da instituição, serviços de limpeza, órgãos de gestão e, caso se revele necessário, representantes da autoridade de saúde”.

O JN avançou ainda que o docente também dá aulas de música em Viana de Castelo, tendo o delegado de saúde local aconselhado uma dezena de pessoas que tinham contactado mais diretamente a ficarem em casa em isolamento preventivo. Em alerta estão, até novas indicações da autoridade de saúde, 150 alunos da Escola Profissional Artística do Alto Minho (ARTEAM) e cerca de 400 da Academia de Música de Viana do Castelo, assim como 50 professores e 13 funcionários. As duas instituições funcionam no mesmo edifício.

De acordo com o Jornal do Fundão, o docente infetado orientou na semana passada uma masterclass na Escola Profissional de Artes – EPABI. Ao jornal regional, o diretor do estabelecimento, Nuno Marques, confirmou não existir qualquer suspeita de coronavírus entre as pessoas que estiveram em contacto com o professor na Covilhã nos dias 26 e 27 de fevereiro. A EPABI continua, para já, de portas abertas, mas os alunos têm a liberdade de frequentar ou não as aulas, tendo sido proibida a partilha de instrumentos de sopro. “A escola enviou também a todos os alunos e famílias a documentação oficial sobre as medidas de prevenção e atuação a tomar”, informa o mesmo jornal.

“Foi hoje de manhã que tivemos a informação de que tinha sido diagnosticado. Ele esteve na escola nos dias 26 e 27 de fevereiro e teve contacto com 12 pessoas, os participantes da masterclass de fagote“, afirmou Nuno Marques esta tarde à TSF.

O diretor da Escola Profissional de Artes acrescentou ainda que todas as pessoas presentes na aula, algumas delas externas à EPABI, foram contactadas pelos serviços administrativos para ficarem em isolamento social. “A situação não é fácil, cada momento é um momento diferente (…) estamos à espera de novas informações”, concluiu.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) confirmou cinco casos de infeção, dos quais quatro no Porto e um em Lisboa. A Organização Mundial de Saúde declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para “muito elevado”.