Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Assunção Cristas abandonou esta manhã uma reunião da Câmara Municipal de Lisboa depois de ter tido conhecimento de que um amigo com quem jantou este fim de semana estava infetado com o novo coronavírus, apurou o Observador.

Os restantes vereadores e autarcas que estavam na reunião mudaram de sala para continuarem os trabalhos, e a sala onde se estava a realizar aquela reunião foi imediatamente desinfetada.

Assunção Cristas é vereadora pelo CDS na câmara municipal de Lisboa, tal como João Gonçalves Pereira, que estava ao lado dela quando soube da notícia, e que com ela esteve a preparar aquela mesma reunião durante a manhã. Ao Observador, Gonçalves Pereira começou por afirmar que vai continuar a sua vida “mais ou menos normal” porque é isso que manda o “protocolo”. Mas, entretanto, o líder parlamentar do CDS recomendou que não fosse ao Parlamento e que se mantivesse em quarentena até haver novos desenvolvimentos.

“Estamos a seguir o protocolo, uma vez que ela soube que esteve com alguém que se confirmou que estava infetado vai ficar imediatamente em quarentena. Se sentir sintomas, liga para a SNS 24 e aí deverá fazer exames”, disse ao Observador o vereador e também deputado centrista, acrescentando que “o protocolo não manda que fiquemos em quarentena porque não há registo de que [Assunção Cristas] esteja infetada”, diz. O mesmo se aplicaria aos familiares de Cristas e a toda a gente com quem contactou nos últimos dias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar disto, contudo, a situação de João Gonçalves Pereira foi colocada à consideração do líder parlamentar centrista, Telmo Correia, que decidiu — “à sua responsabilidade” — dispensar o deputado dos trabalhos parlamentares. Pelo menos até “novos desenvolvimentos”.

Ao Observador, Telmo Correia afirmou que foi recomendado ao deputado que esteve a trabalhar lado a lado com Cristas que se mantivesse em casa até haver novidades sobre o caso da ex-líder centrista. “Se tudo correr bem, [Cristas] não está infetada” e, nesse caso, nenhum dos que com ela contactou terá esse risco. Mas enquanto não houver certezas, a medida é preventiva.

O mesmo fez o líder parlamentar do CDS no caso de “funcionárias” do grupo parlamentar que são consideradas grupo de risco, tendo-lhes recomendado teletrabalho. Telmo Correia afirma que está a tentar entrar em contacto com a presidência da Assembleia da República para dar conta destas informações, mas “está a ser demorado”.

Cristas “aguarda com serenidade”

A notícia foi confirmada entretanto pela própria ex-líder do CDS no Twitter. “Uma vez que estive com ele no passado fim de semana, decidi assim que soube da notícia, e no cumprimento das orientações das entidades competentes, entrar de imediato numa situação de quarentena domiciliária preventiva e avisar as pessoas com quem tenho estado desde então”, escreveu Cristas depois de ter anunciado que, “sem alarmismos”, recebeu a notícia de que “um amigo próximo testou positivo ao novo coronavírus”.

Assunção Cristas disse ainda que não tinha sintomas até ao momento e que “aguardará com serenidade”.

Quanto à reunião de câmara que estava a decorrer esta manhã quando Cristas soube da notícia, houve uma paragem e os trabalhos deverão ser apressados, noutra sala. “Devemos votar apenas o que for mais urgente, e adiamos o resto”, acrescentou o vereador. João Gonçalves Pereira, que devia participar esta tarde num debate no Parlamento, optou entretanto por deixar a reunião de câmara e seguir logo para casa, onde ficará preventivamente em isolamento.

*artigo atualizado com informações sobre o deputado João Gonçalves Pereira, que esteve a trabalhar lado a lado com Assunção Cristas