Artigo em atualização

Morreu Rubem Fonseca, “um dos maiores escritores do Brasil”, segundo avançou o jornal brasileiro O Globo, notícia confirmada pelo Observador junto da Porto Editora, que, através da Sextante, publica os livros do autor de Minas Gerais em Portugal. A poucas semanas de completar 95 anos, o escritor sofreu, esta quarta-feira, um enfarte por volta da hora de almoço, no seu apartamento no Leblon, Rio de Janeiro. Foi levado para o hospital Samaritano, segundo o mesmo jornal, onde não resistiu.

Entre as obras que o tornaram num dos mais célebres autores de contos brasileiros da segunda metade do século XX, estão Feliz Ano Novo (1975), A Coleira do Cão (1963) ou O Cobrador (1979). O último livro de contos inéditos foi publicado no final de 2018, com o título Carne Crua. Em 2003, foi distinguido com o Prémio Camões.

Rubem Fosenca, ou Zé Rubem como era chamado pelos amigos, nasceu a 11 de maio de 1925, em Juiz de Fora, cidade do estado brasileiro de Minas Gerais. Formou-se em direito e construiu uma carreira de seis anos na polícia civil, já no Rio de Janeiro, como comissário e especialista em psicologia criminal. Embora tenha publicado o primeiro livro quando já tinha mais de 35 anos, Fonseca começou a escrever aos 17.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.