O ator Filipe Duarte morreu esta sexta-feira, vítima de enfarte do miocárdio. Tinha 46 anos. As primeiras reações à morte do ator do filme “Variações” ou da série “Equador” não se fizeram esperar, com o argumentista Alexandre Borges a apelidá-lo de o “melhor ator da sua geração”. Mais homenagens se seguiram nas redes sociais: Nuno Lopes, Markl e até Manuel Luís Goucha elogiam o homem e o ator.

Morreu o ator Filipe Duarte

“Digo-o tranquilamente, era o melhor ator da sua geração”

Em declarações à Rádio Observador, Alexandre Borges, um dos argumentista da série “Equador”, protagonizada precisamente por Filipe Duarte, diz que esta “é uma perda enorme”.

“Custa perceber como é que uma pessoa que está no auge, de repente, já não está aqui. O Filipe Duarte era, digo-o tranquilamente, o melhor ator da sua geração. Tinha um conjunto de características que faziam dele um raro leading man na ficção portuguesa”, comentou Borges, destacando a “qualidade pura artística”, mas também o carisma pessoal, a figura física e até a voz. “A voz dele é também uma das vozes que os portugueses mais conhecem, mesmo que não a identifiquem”, disse, referindo-se a trabalhos de locução e publicidade.

Alexandre Borges recordou ainda como foi o próprio Miguel Sousa Tavares a pedir que Filipe Duarte fosse protagonista da série “Equador” e como, à época, foi difícil convencê-lo a entrar no projeto. “Embora ele tivesse feito alguma televisão, já estava muito mais direcionado para o cinema. Todos nós queríamos um ator como ele à frente do projeto. Não foi fácil convencê-lo porque ele vinha do cinema.” Falando na grande tela, Alexandre Borges elogiou ainda a performance de Filipe Duarte em “Variações”, incluindo uma cena de amor onde contracena com Sérgio Praia. “Uma cena de amor pura, praticamente sem palavras.”

Pode ouvir aqui o depoimento de Alexandre Borges à Rádio Observador.

Alexandre Borges: “Foi Sousa Tavares que escolheu Filipe Duarte”

Miguel Sousa Tavares: “Fui eu que indiquei o Filipe para o Equador”

Miguel Sousa Tavares preferiu reagir por e-mail: “É uma notícia triste de mais e, sinceramente, não me sinto confortável a falar disto”.

O autor de Equador confirmou a história contada por Alexandre Borges: “Apenas lhe posso confirmar que fui eu que indiquei o Filipe para o Equador e que consegui convencê-lo a fazer o papel, depois de ele ter começado por recusar o convite do José Eduardo Moniz. E foi ele que, durante as gravações, defendeu sempre o livro contra as tentativas do pessoal do script de transformar aquilo numa novela brasileira. Devo-lhe isso.”

“Que notícia horrível. Que dia horrível”

Nas redes sociais, as reações à morte do ator proliferam. “O Filipe? Não tenho palavras. Que notícia horrível”, escreveu esta sexta-feira o ator Nuno Lopes na respetiva conta de Instagram. A legenda acompanha uma fotografia a preto e branco do ator que morreu aos 46 anos. “Um abraço à família. Nem imagino o que estejam a passar. Não tenho palavras. Que dia horrível.”

O humorista Nuno Markl é outro dos que, após a notícia da morte de Filipe Duarte, partilhou um texto em sua homenagem, o qual acompanha um vídeo do ator onde este faz um apelo à proteção dos animais. Admitindo que “não calhou” conhecer o ator pessoalmente, “sabia-o um excelente ator” e também “um tipo incrível”. “Uma pena termos ficado por nos conhecer. E uma tragédia, este ano de 2020.”

View this post on Instagram

Não calhou conhecer pessoalmente o Filipe Duarte, o que é bizarro, com a quantidade de amigos comuns e esta causa comum dos animais. Mas não calhou. Sabia-o um excelente actor e, pelos seus amigos, um tipo incrível. Uma pena termos ficado por nos conhecer. E uma tragédia, este ano de 2020. Não satisfeito por toda a gente, conhecida e anónima, que nos leva pela pandemia, este ano ainda sublinha – em casos como o do Filipe, enfarte do miocárdio fulminante – como isto é a tal lotaria que, perdoem o clichê, merece que aproveitemos e tiremos o melhor partido possível de cada um destes malditos e negros minutos dos dias que vivemos. No meio de tudo isto, o meu filho veio puxar-me para ouvir o que ele tinha a dizer sobre um episódio essencial de Gumball. A minha primeira tentação foi dizer-lhe “agora não”, até perceber a absoluta maravilha que foi deixar esta dimensão, ir até à do Pedro e perceber como, em momentos assim, nada é mais importante, libertador e feliz do que ouvir um puto de 10 anos a falar de uma série de desenhos animados.

A post shared by Nuno Markl (@nunomarkl) on

“Há pessoas que não morrem enquanto houver memória”

“Exigente como pessoa e profissional. Daí a sua excelência”, escreveu o apresentador Manuel Luís Goucha no Instagram, referindo-se a Filipe Duarte como uma das pessoas que mais admira. “Falo no presente se bem que saiba que a partir de hoje não mais poderei conversar com ele. É que há pessoas que não morrem enquanto houver memória.” A também apresentadora Iva Domingues limitou-se a escrever “Filipe, tu não! Não acredito. Não acredito . Não acredito”, enquanto César Mourão reiterou a carreira do ator: “Inacreditável. Um dos melhores atores portugueses”.

Num registo semelhante, o também argumentista Tiago R. Santos publicou uma curta nota no Facebook, fazendo referência a um filme vindouro com a participação de Filipe Duarte: “Há pouco mais de um mês, quando o Gonçalo Galvão Teles me mostrou uma primeira montagem do seu novo filme, uma das minhas reações imediatas foi ‘bem, o Filipe Duarte é incrível.’ O Filipe Duarte é incrível. Isto não faz sentido nenhum.”

Marcelo Rebelo de Sousa também emitiu uma nota de condolências, referindo-se a vários trabalhos da carreira do ator. “Em qualquer destes trabalhos foi uma presença intensa, em galãs e vilões, homens agrestes ou compassivos. É triste perdê-lo, tão novo, a meio de uma carreira e de uma vida.”