A NOS anunciou esta sexta-feira em comunicado oficial que não irá renovar contrato como principal patrocinador da Primeira Liga que termina na próxima temporada de 2020/21, confirmando as informações que estavam a ser veiculadas desde quarta-feira, antecâmara da reunião entre a Liga e os clubes.

Liga pode perder patrocínio da NOS depois de Pedro Proença sugerir jogos em sinal aberto

“A NOS entende ser oportuno informar da sua intenção de não renovação da parceria que celebrou com a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), após o término da época de 2020/2021, materializada no apoio como patrocinador principal e naming sponsor. Esta decisão resulta de uma avaliação que a empresa tem vindo a realizar há já alguns meses e da qual resultou a conclusão que, após sete épocas, o valor que esta parceria representava para ambas as partes e os objetivos que lhe estiveram subjacentes estarão totalmente atingidos”, destaca a operado num comunicado tornado público esta tarde..

“A NOS vê muito positivamente o resultado da parceria, ao longo das últimas épocas, com a LPFP, que muito contribuiu para uma maior visibilidade da paixão que une os portugueses. O futebol português, com qual partilhamos os valores de ambição, proximidade e inovação, continuará a merecer um forte envolvimento da NOS, ainda que noutros formatos, e continuaremos a assumir um papel ativo, colaborando com todos os agentes da modalidade na construção de um ecossistema que se pretende competitivo e sustentável”, refere.

Da carta pelos jogos em sinal aberto ao recurso do Marítimo para o TAD – as queixas dos clubes da Liga sobre Proença

“Até ao final da época de 2020/2021, a NOS continuará a trabalhar em estreita colaboração com a LPFP, por forma a criar uma competição ainda mais dinâmica, mais interativa e mais espetacular para todos os adeptos de futebol”, concluiu a missiva, que cria assim um “problema” a mais numa Liga que atravessa uma fase conturbada.

Portimonense-Gil Vicente a abrir, FC Porto joga também a 3 de junho, Benfica no dia seguinte: o regresso do Campeonato

“É uma relação de benefício para as duas partes. Este é um momento como outro qualquer [para anunciar], e permite à Liga ter 14 meses para encontrar um patrocinador. Os direitos de naming têm agora um valor 30% superior ao que foi negociado com a NOS em 2017″, disse à Lusa Sónia Carneiro, diretora executiva da Liga. “Foram seis anos muito produtivos, de crescimento em conjunto. É um virar de página, mas só daqui a 14 meses, teremos ainda muitas coisas bonitas com a NOS até lá. Agora é ir para o mercado a seguir”, acrescentou.

De recordar que, segundo os últimos dados do órgão, a preponderância do main sponsor nas receitas da Liga, acima dos dez milhões de euros, rondava os 70%. A acrescer a isso está uma esperada descida a nível de valores oferecidos pelos patrocinadores, no futebol e em todas as áreas, a que a Primeira Liga não deve passar ao lado.