Cerca de 72 milhões de máscaras foram vendidas em Macau desde final de janeiro, disseram este sábado as autoridades do território na conferência de imprensa diária de acompanhamento da pandemia da covid-19.

A venda racionada das máscaras começou há quase quatro meses, a 24 de janeiro, uma das primeiras medidas do Governo de Macau, justificada pela falta de oferta no mercado mundial.

A cada dez dias, cada pessoa pode adquirir dez máscaras em cerca de meia centena de farmácias convencionadas no território, a um preço reduzido: oito patacas, ou seja, menos de um euro.

Na mesma conferência de imprensa, as autoridades salientaram o facto de hoje se cumprir o 45.º dia consecutivo sem registo de novos casos, sendo que todos os 45 pacientes que deram positivo à covid-19 já receberam alta hospitalar.

Depois de uma vaga inicial de dez casos, o território esteve 40 dias sem identificar qualquer infeção. A partir de meados de março foram identificados mais 35, todos importados, um deles em estado grave.

Após a deteção de novos casos, as autoridades reforçaram as medidas de controlo e restrições fronteiriças. Uma delas é a quarentena obrigatória de 14 dias à entrada no território.