As autoridades de saúde e o Governo já o reconheceram e estão a tomar medidas. É na região de Lisboa e Vale do Tejo que estão os principais focos de infeção por Covid-19 que resistem, com 268 dos 297 novos infetados apareceram nos mapas do boletim da Direção-Geral de Saúde para a evolução da pandemia nas últimas 24 horas. É uma percentagem que ronda os 90% do total de novos casos e que se tem repetido há pelo menos uma semana. Sendo que esta é também a região do país com maior número de habitantes.

No entanto, a distribuição pelos mais de 50 concelhos desta região dos novos casos, ou mesmo do total de infetados, é muito assimétrica. E na consulta realizada pelo Observador, verificamos que a soma dos novos casos reportados por concelho é inferior ao total de 268 novas infeções imputadas à região. Ainda assim, dá para perceber que os focos de transmissão estão na cidade de Lisboa (mais 35) e nos concelhos de Loures (mais 34), onde os serviços de saúde estão mais pressionados, mas também Amadora (19), por onde passou a ministra Marta Temido antes de ir à conferência de imprensa da DGS, Seixal (15), Odivelas (22) e Oeiras (16).

Abaixo dos 10 novos casos diários estão Almada, Barreiro, Moita e Azambuja. Em Cascais e Vila Franca de Xira, foram detetados mais 11 e 12 infetados, respetivamente.

Já em Sintra – que continua a ser o segundo concelho, a seguir a Lisboa, com mais casos nesta região – não aparecem registos de novos casos há dois dias. De acordo com os dados por concelho – que a avaliar pelo total atribuído à região de Lisboa e Vale do Tejo não estarão todos atualizados – Montijo e Alcochete também não tiveram novos infetados.

Fora da Grande Lisboa e na mesma região, os maiores aumentos diários de casos aconteceram em Santarém e Alenquer. Neste concelho, verificou-se um dos maiores aumentos em termos relativos, tendo atualmente 93 infetados.

Além do foco geográfico da evolução recente do surto — três concelhos na Grande Lisboa tiveram um aumento diário de infetados superior aos 21 novos casos detetado em toda a região Norte — as estatísticas ficam ainda marcadas pela segunda morte verificada num grupo etário entre os 20 e os 29 anos. Segundo informação dada na conferência de imprensa, trata-se de uma mulher com uma doença complexa associada. A maioria dos 14 novos óbitos, de um número que chega aos 1.410, registou-se a Norte e em pessoas com mais de 80 anos.

Os grupos etários que tiveram maior acréscimo de contágios foram entre os 20 e os 29 anos — os jovens foram aliás alvo de um apelo feito pelo Presidente da República para evitar a organização de destas com centenas de pessoas — e as pessoas entre os 40 e os 49 anos. Portugal conta 32.500 infetados por Covid-19, dos quais 19,404 já recuperaram.