A Comunidade intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE) insurgiu-se esta quarta-feira contra a decisão da CP de suspender, sem diálogo com as autarquias ou aviso prévio, diversos comboios do serviço intercidades nas ligações Guarda – Lisboa.

O Conselho Intermunicipal da Comunidade lamentou, em comunicado, que “a CP não tenha cabalmente esclarecido as populações, ou os seus representantes, das razões que motivaram a suspensão dos serviços” e garantiu que vai dar conhecimento da situação ao Governo.

A CIMBSE anunciou que vai solicitar, com urgência, uma audiência ministra da Coesão Territorial e ao ministro das Infraestruturas,” para análise dos assuntos relacionados com a circulação dos comboios na Linhas da Beira Alta e Linha da Beira Baixa e com a sua modernização”.

Exigiu também à CP que restabeleça a circulação dos comboios suprimidos na Linha da Beira Alta e que seja iniciado “com urgência, o investimento na modernização da Linha da Beira Alta, há muito prometido, mas que tarda em realizar-se”.

O Conselho Intermunicipal da CIMBSE reafirma a importância que a via-férrea tem para a região das Beiras e Serra da Estrela, pedindo que os investimentos nesta infraestrutura “sejam rápidos, consistentes e decisivos”.

A Comunidade intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela serve uma população de mais de 236 mil pessoas e é composta por 15 municípios: Almeida, Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Fundão, Guarda, Gouveia, Manteigas, Mêda, Pinhel, Sabugal, Seia e Trancoso.