A Comissão Municipal de Proteção Civil (CMPC) de Pombal manifestou esta quarta-feira preocupação quanto aos novos casos no concelho e aos comportamentos dos cidadãos neste período de pós-confinamento, anunciou esta quarta-feira a Câmara.

O Município de Pombal, numa nota de imprensa, adianta que, após 31 dias sem o registo de novos casos de contaminados, o concelho registou, nos últimos dias, um aumento de situações de infeção por Covid-19.

Em 16 de junho, o concelho registava um número acumulado de 82 casos confirmados, estando 16 ativos, segundo informação da Autoridade de Saúde Pública de Pombal.

Os números foram analisados, em reunião extraordinária realizada na tarde de terça-feira, na qual foi manifestada a preocupação quanto aos comportamentos da população neste período de pós-confinamento, nomeadamente o não cumprimento das medidas profiláticas emanadas pela Direção-Geral da Saúde.

Um “aumento preocupante” que, de acordo com o delegado de Saúde de Pombal, se deve sobretudo à “falta de consciencialização” dos cidadãos, refere a nota de imprensa. O responsável apela à “importância de existir um rigoroso cumprimento das determinações das autoridades sanitárias”.

Analisadas as possíveis cadeias de transmissão do vírus, a comissão municipal revela que a maioria dos casos agora confirmados “estarão relacionados com a atividade de construção civil, designadamente com trabalhadores que se deslocam para vários locais fora do concelho e da região”.

Há a necessidade de serem tomadas algumas medidas de prevenção, como, por exemplo, sempre que possível, o transporte no mesmo veículo e evitar paragens durante o percurso de viagem, reduzindo o menor número de contactos possíveis”, alerta a CMPC.

Outra das preocupações manifestadas está relacionada com a comunidade jovem: “Embora possa apresentar uma situação assintomática, é de risco elevado de transmissão da doença, tendo em conta momentos de convívio e de confraternização junto de familiares e amigos”, adverte a nota.

A Comissão Municipal de Proteção Civil alerta ainda para as visitas aos utentes que se encontram institucionalizados em estruturas residenciais para idosos, que “são naturalmente pessoas de risco acrescido de maior disseminação da infeção”.

“Apela-se, assim, a uma maior consciencialização de todos os familiares, sensibilizando-os para o cumprimento das orientações emanadas pela Direção-Geral da Saúde e recomendações determinadas por cada uma das instituições, designadamente redução do tempo de permanência, distanciamento social e higienização”, reforça o comunicado.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 438 mil mortos e infetou mais de oito milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.522 pessoas das 37.336 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.