Com as presidenciais norte-americanas de 2020 a uma distância de cinco meses, a mais recente sondagem da Reuters/Ipsos, realizada entre os dias 10 e 16 de junho, revela que o candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, está na liderança, cada vez mais afastado do atual presidente, Donald Trump.

Segundo os últimos dados, o ex-vice-presidente democrata tem a maior vantagem registada até ao momento sobre Trump – 13 por cento – o que indica que os eleitores americanos, até mesmo a sua tradicional base de apoio republicana, estão mais críticos em relação à forma como Donald Trump lidou com a pandemia da Covid-19 e, mais recentemente, com os protestos surgidos após a morte de George Floyd às mãos da polícia de Minneapolis.

Segundo os números, 48 por cento dos eleitores registados assumem apoiar Biden, o candidato democrata nas eleições de 3 de novembro, contra os 35 por cento que apoiam Trump. A pesquisa Reuters / Ipsos mostra, também, que 57 por cento dos adultos americanos desaprovam a atuação de Trump enquanto presidente, enquanto 38 por cento aprovam o seu desempenho no cargo – o menor índice de aprovação desde novembro, altura em que o Congresso conduzia a investigação formal do impeachment contra o presidente republicano.

Embora Biden tenha ultrapassado Trump na maioria das sondagens nacionais desde o anúncio da sua candidatura à Casa Branca, em abril de 2019, a liderança do ex-vice-presidente aumentou significativamente desde maio. A forma como Donald Trump desvalorizou a pandemia, e pelo meio a ciência, na luta contra a Covid-19, segundo alguns meios de comunicação social, foi o assunto que mais contribuiu para o decréscimo da popularidade do presidente. O mesmo revela a sondagem da Reuters/Ipsos: No total, 55 por cento dos americanos admitiram discordar da forma como Donald Trump lidou com a pandemia, contra 40 por cento de eleitores que aprovaram.

O New York Times, na passada semana, revelou, ainda, que Trump está atrás de Biden, mesmo em sondagens privadas. O democrata também subiu recentemente à liderança nos mercados de apostas.