Ao fim de dez anos a vender roupa e acessórios de luxo em segunda mão, a Farfetch continua a apostar naquele que é um dos mercados mais promissores do setor, atualmente avaliado pela empresa em 24 mil milhões de dólares, cerca de 21,5 mil milhões de euros, e com um ritmo de crescimento quatro vezes superior ao dos bens de luxo em primeira mão.

A pre-owned fashion, como lhe chama, tem já uma secção própria dentro deste gigante do e-commerce. Desde a última quinta-feira que a plataforma agrega uma ferramenta que permite aos clientes calcular, por um lado, o impacto dos diferentes materiais e, por outro, os benefícios para o ambiente em comprar uma peça em segunda mão, em vez de uma novinha em folha.

Depois de, no ano passado, a Farfetch se ter aberto a todos os interessados em vender ou doar bens de luxo em segunda mão, eis que chega a página onde qualquer um pode facilmente compreender o peso de pensar duas vezes antes de comprar uma peça de roupa ou um acessório novos.

O formulário recentemente criado começa por apresentar uma lista de oito materiais — linho, poliéster, nylon, algodão, viscose, lã, seda e pele –, cada um deles com uma pegada de carbono e de água que poderá orientar o consumidor numa escolha ambientalmente mais consciente. Por cada quilo de linho, 15 quilos de carbono são emitidos para a atmosfera, o equivalente a percorrer 60 quilómetros de carro. A mesma quantidade exige que se gastem mais de 2.000 litros de água, o equivalente a 21 banheiras cheias de água.

A ferramenta permite comparar materiais no que à sustentabilidade diz respeito. Se o linho é de facto o que menor pegada de carbono tem, no que toca ao volume de água despendido, o poliéster  é que gera menos desperdício em termos de água — são necessários 78 litros (uma banheira cheia) para produzir um quilo. A página indica sempre uma seleção de materiais alternativos e menos nocivos para o ambiente.

A segunda calculadora mostra a poupança de água, mas também a redução de emissões de carbono e a criação de desperdício que a compra de uma peça em segunda mão pode possibilitar. Um cesto de compras com um casaco, um vestido, uma mala de pele e umas calças de ganga, todas as peças em segunda mão, pode representar uma poupança de nove metros cúbicos de água menos 60 quilos de carbono na atmosfera.

Em média, por cada peça em segunda mão comprada (em comparação com a aquisição de uma nova), são poupados mais de 3.000 litros de água e evita-se uma emissão de 22 quilos de carbono para a atmosfera, bem como a criação de um quilo de desperdício.

38% diz que mais de metade do seu guarda-roupa é em segunda mão

O estudo foi levado a cabo pela Farfetch, em parceira com a QSA, a Icaro e a London Waste and Recycling Board, e envolveu uma amostra de 3.000 pessoas em três países — Estados Unidos, China e Reino Unido. Mais de um terço dos inquiridos (38%) revelou que mais de metade do seu guarda-roupa é composto por peças em segunda mão. Em média, cada consumidor adquiriu oito peças durante o ano passado e mais de metade (52%) estava proativamente a procurar este tipo de produto.

As lojas físicas estão em vantagem face ao e-commerce, com 60% das vendas de artigos em segunda mão. O preço é mesmo o argumento que mais pesa na decisão (42%). Uma fatia de 30% dos inquiridos alega o facto de se tratarem de peças raras e apenas 13% indica ter comprado roupa e acessórios em segunda mão motivado por questões ambientais.

Além dos números, a Farfetch tem desenvolvido estratégias de divulgação de marcas, designers e produtos sustentáveis, como é o caso da Positively Conscious, uma montra de moda pautada por uma consciência ambiental e que assume também a forma de selo, atribuído pela plataforma Good On You, agência de certificação ética na área da moda.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR