Quase 80 por cento, mais  precisamente 78% das vítimas mortais da Covid-19 neste mês de junho ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo. Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) até esta terça-feira, nestes 23 dias 55 doentes não resistiram aos efeitos do novos coronavírus e morreram: 43 na zona de Lisboa e Vale do Tejo, sete no Norte do país, quatro no Centro e um no Alentejo.

Deste total de 55 mortes, seis foram contabilizadas pela DGS nas últimas 24 horas, revelando um aumento de dois óbitos relativamente ao dia anterior. No total, desde a primeira morte pelo novo coronavírus registada em Portugal, já morreram 1.540 pessoas no País vítimas da pandemia. O que significa que taxa de letalidade do novo coronavírus em Portugal é esta terça-feira de 3,88%.

Lisboa tem também, nas últimas 24 horas, 86,7 % dos 345 novos casos registados em Portugal, numa altura em que o Governo recuou nalgumas medidas de desconfinamento para tentar conter o surto.

Número de casos confirmados aumentou 0,9%

O número de casos confirmados aumentou 0,9% nas últimas 24 horas, mais 0,2% que no dia anterior o que significa um aumento de 345 novos casos, quando na segunda-feira o aumento tinha sido de 259. Assim. os números divulgados pela Direção-Geral de Saúde dão conta de um número total de 39.737 casos de infeção pelo novo coronavírus desde março.

A maior parte dos novos casos registados de Covid-19 concentra-se em infetados entre os 20 e os 59 anos. O maior aumento está em pacientes entre os 30 e os 39 anos (35 novos casos), seguindo-se na lista divulgada pela Direção Geral da Saúde infetados a faixa etária os 20 e os 29 anos (33 casos), e depois entre os 40 e os 49 (28) e os 50 e os 59 (25).

Há ainda a registar mais entre as crianças: entre os zero e os nove anos foram sete (num total de 568), entre os 10 e os 19 foram mais 16 (num total de 711). Já na população mais idosa, e que as autoridades de saúde consideram que enfrentam maior risco, destaque para um aumento de nove casos (num total de 1.929) entre os 60 e os 69, com mais dez anos foram sete (num total de 1372) e com mais de 80 anos foram cinco os novos casos (num total de 1.630).

O Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, esgotou a sua capacidade para internar doentes de Covid-19

Casos suspeitos e resultados negativos aumentam

O número de casos suspeitos aumentou 0,7% nas últimas 24 horas para 366.777, ou seja mais 2472 que na segunda-feira quando o aumento tinha sido de 0,3%, ou seja de 1.172 casos suspeitos.

Por outro lado, ao mesmo tempo que os casos suspeitos aumentaram, também os não confirmados seguiram a mesma tendência. Se na segunda-feira eram mais 957 os casos não confirmados (323.131), 24 horas depois são 2150 (mais 0,7%) os suspeitos que acabaram por receber os teste à Covid-19 como negativo.

Há ainda 1759 pessoas com sintomas ou com ligações a pacientes que testaram positivo à espera do resultado do teste, menos 23 dos que os 1782 do dia anterior. Ao mesmo tempo, as autoridades de saúde têm sob vigilância 30.248 pessoas, menos 708 que no dia anterior — quando se registaram mais 101 casos. Ou seja, nas últimas 48 horas 609 pessoas deixaram de estar a ser vigiadas. Uma medida que, aliás, será intensificada com as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro António Costa para a região de Lisboa e Vale do Tejo.

Número de doentes em Cuidados Intensivos mantém-se

Numa altura em que o Governo anunciou que o Hospital Beatriz Ângelo esgotou a sua capacidade no atendimento a doentes de Covid-19 e que o Amadora-Sintra está prestes a ficar igual, é também importante olhar para o número de casos internados, embora a nível nacional — os dados possíveis que se retiram do boletim da DGS. São mais 17 pacientes internados nas últimas 24 horas.

Se na segunda-feira eram 424, hoje são 441 os doentes internados.

Já os pacientes que se encontram nas Unidades de Cuidados Intensivos mantiveram-se nos 72 nos últimos dois dias, sem qualquer alteração.

Lisboa com 86,7% dos novos casos

Quanto aos casos por regiões do País, é no Norte que se concentra o maior número de infeções: 17.329. Mas foi na região de Lisboa e Vale do Tejo que os casos mais subiram: mais 299 do que no dia anterior, sendo agora 17.225 os casos positivos nesta zona. No dia anterior este aumento tinha sido de 164 casos (1%). Esta terça-feira o aumento representa mais 1,8% dos casos, com um peso de 86,7% do total de novos casos.

Este número revela, mais uma vez, um aumento de casos nesta zona relativamente ao que foi registado entre domingo e segunda-feira, em que se contaram mais 164 casos em Lisboa e Vale do Tejo. Números que levaram a um conjunto de medidas em vigor desde as 00h00.

Posso estar com amigos? Beber um copo? Até que horas posso ir ao café? Como a Grande Lisboa vai fechar às oito da noite

Se atentarmos aos concelhos da Grande Lisboa, que desde as 00h00 são obrigados a terem todos os estabelecimentos comerciais (exceto restaurantes) às 20h, percebemos alguns dos mais críticos. Em Sintra foram 53 os novos casos nas últimas 24 horas (quando tinham sido 19 no dia anterior). Odivelas e Amadora registaram número igual de novos casos: 43 casos, o mesmo que na Amadora, e Lisboa 41.. Loures registou mais 26. Vila Franca de Xira foi o concelho que mais aumentos registou nas últimas 24 horas teve um aumento de 31 casos, quando no dia anterior tinham sido apenas seis.

Em Setúbal os números não são mais animadores. No concelho aumentaram 152 novos casos, sendo agora 164 o total.

As freguesias de Sintra na linha do IC19 têm mais casos registados

Região do Alentejo com um aumento de 5,6%. Reguengos com mais 32 casos

Na região Alentejo houve um aumento de 5,6% nas últimas 24 horas com mais 21 casos positivos — estando agora esta zona com um total de 397 casos de infeção.

De facto olhando para os números de cada concelho (que têm divergências com os totais de positivos por regiões por uma questão de contabilização) é no concelho de Reguengos de Monsaraz,  que levou a câmara municipal a encerrar novamente creches, escolas e alguns serviços públicos, houve 32 novos casos, sendo agora 78 os positivos. É o concelho do distrito do Alentejo que mais casos tem. Em Évora houve um aumento de 38 para 45 novos casos. Ainda assim no concelho de Moura há ainda mais: são 71,  mas são os mesmos que na segunda-feira.

Surto em Lagos começou numa festa ilegal em Odiáxere

Casos em Lagos, onde ocorreu festa ilegal, estabilizados, mas há mais em  Albufeira

Já a Sul, onde há cerca de uma semanas registou um surto numa festa legal em Lagos, o aumento foi de 1,3% (no dia anterior tinha sido 1,5%), o que significa mais sete novos casos, totalizando 397 infeções naquela região.

Apesar do surto registado há uma semana em Lagos, na sequência de uma festa ilegal, neste concelho o número de casos manteve-se nos 64 registados na segunda-feira. Mas em Albufeira são já 93 os positivos (mais três nas últimas 24 horas). Faro mnatém os 70 casos registados também na segunda, mas Portimão aumentou de 57 para 60.

A região Centro do país teve uma descida de 0,2% com nove novos casos, num total de 4.014.

As regiões autónomas dos Açores e Madeira continuam sem registar novos casos