Se o Norte foi a região mais afetada no início da pandemia, há vários dias que Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais casos diários de Covid-19. Segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta quarta-feira, a região da capital ultrapassou mesmo o Norte no número total de casos registados desde que o primeiro doente foi confirmado, a 2 de março (são, respetivamente, 17.527 e 17.339 os casos confirmados). Ainda assim, o Norte tem quase o dobro dos óbitos registados em Lisboa (814 e 449, respetivamente).

O país passou ainda a barreira dos 40.000 infetados: são agora 40.104 (26.083 já recuperaram), de acordo com o boletim da DGS. Além disso, nas últimas 24 horas, morreram, em Portugal, três pessoas (ontem tinhas sido registas seis mortes), com Covid-19, um aumento de 0,2%. O país contabiliza agora 1.543 óbitos. Há 367 novos casos de infeção (ontem tinham sido 345), uma subida de 0,9%.

Odivelas lidera no número de novos casos depois de surtos em lares

A região de Lisboa e Vale de Tejo voltou a ter o maior número de novos infetados — 302 dos 367 (um aumento de 1,8%), ou seja, concentra 82% dos novos casos.

Na região, o concelho de Odivelas lidera no número de novos casos (mais 54 para um total de 1.017), depois de terem sido registados surtos em lares de idosos. Na Casa de Repouso da Enfermagem Portuguesa, há 85 pessoas infetadas, das quais 58 são utentes e 27 são funcionários do lar, estando 10 utentes internados no Hospital Beatriz Ângelo, em Loures. E no lar de Nossa Senhora da Aparecida, segundo a TVI, foram já confirmados 26 casos positivos.

Em termos de novos números de infetados, seguem-se os concelhos de Lisboa (47 novos casos), Sintra (45) e Amadora (32).

Se Lisboa e Vale do Tejo lidera em termos absolutos, a região Sul liderou na subida percentual. Aí, o número de novos infetados subiu 3% (mais 16), enquanto que no Alentejo a subida foi de 2,3% (9 novos casos, na sequência de um surto que começou num lar em Reguengos de Monsaraz, e que já está na comunidade).

O boletim da DGS aponta, aliás, mais sete infetados naquele concelho alentejano, num total de 85. Porém, segundo tinha adiantado esta quarta-feira a Câmara de Reguengos de Monsaraz, o número de casos positivos é de 88, com 69 doentes no lar onde surgiu o foco, entre utentes e funcionárias, e 19 infeções comunitárias.

Número de infetados em Reguengos de Monsaraz subiu para 88

Já a região Norte tem 10 novos casos e o Centro 28. Os Açores registaram mais dois casos (têm 146). A Madeira não registou nenhum (tem 92).

Uma das vítimas mortais tinha entre 30 e 39 anos

As três mortes registadas nas últimas 24 horas aconteceram na região de Lisboa e Vale do Tejo. As vítimas mortais eram um homem que tinha entre 30 e 39 anos, uma mulher entre 40 e 49 anos e outra mulher com entre 60 e 69 anos.

Tendo em conta os novos testes positivos, são os jovens que estão a ser mais infetados. Dos 367 novos casos, 66 são de jovens entre os 20 e os 29 anos, 60 entre os 30 e os 39 anos, 61 entre os 40 e 49 anos. Na faixa etária entre os 50 e os 59 anos, foram registados 44 novos casos, e outros 34 entre os 60 e os 69 anos. Entre os 70 e os 79, há mais 32 casos e nos que têm mais de 80 anos, mais 28.

Os mais novos são os que viram o número de novos casos menos subir: mais 21 casos na faixa etária até aos 9 anos e 19 entre os 10 e os 19 anos.

Dos novos infetados, 180 são homens (para um total de 17.564 desde o início da pandemia) e 187 são mulheres (totalizando 22.540).

Número de internados desce, mas há mais uma pessoa nos cuidados intensivos

Os hospitais portugueses têm agora 429 pessoas internadas, menos 12 face a ontem. Em unidades de cuidados intensivos estão 73 pessoas, mais uma do que no dia anterior. Portugal tem ainda 26.083 recuperados, mais 254 do que ontem.

A taxa de letalidade continua a descer. Se no dia anterior era de 3,88%, neste momento está nos 3,85%.

O número de pessoas em vigilância pelas autoridades de saúde subiu 2,3%. Se no dia anterior, tinha havido uma diminuição de 708 casos em vigilância, no boletim desta quarta-feira a DGS refere que há mais 687 pessoas nesta situação.