A Organização Internacional das Migrações (OIM) em Portugal recebeu no primeiro semestre deste ano 472 pedidos de retorno voluntário, uma subida de 32% em relação às 322 inscrições feitas no mesmo período de 2019, avançou o Público esta quinta-feira. A maioria dos pedidos continua a chegar de cidadãos brasileiros a viver em Portugal (93%). A TAP tem programados para julho sete voos semanais de ida e volta para o Brasil, mas o consulado brasileiro avisa que Portugal vai perder 1,5 milhões de turistas brasileiros com o fecho de fronteiras.

“Muitos estão a trabalhar no sector informal e acabam mais rapidamente por entrar numa situação de dificuldade e pedir apoio. A pandemia veio potenciar estas situações”, explicou Luís Carrasquinho, da OIM, ao mesmo jornal.

Segundo o Público, o consulado brasileiro apoiou 2.138 pedidos de retorno de cidadãos brasileiros durante a pandemia. Em causa estiveram essencialmente turistas que tinham ficado retidos em Portugal e pessoas em “situação de desamparo”, explicou o cônsul-geral adjunto do Brasil em Lisboa, Eduardo Hosannah, que avisa que o fecho de fronteiras vai custar pelo menos 1,5 milhões de turistas brasileiros a Portugal.

A TAP tem previstos, ainda assim, sete voos semanais para o Brasil durante o mês de julho: três para São Paulo, um para o Rio de Janeiro, dois para Recife e um para Fortaleza. Para agosto está já previsto um aumento.