Um juiz do Tribunal de Recurso de Nova Iorque levantou na noite de quarta-feira uma proibição temporária de publicação de um livro escrito pela sobrinha do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contendo revelações polémicas.

Segundo a agência de notícias France-Presse (AFP), a decisão permite à editora Simon & Schuster imprimir e distribuir o livro de 240 páginas, quando faltam três meses para as eleições presidenciais.

Com o título “Too Much and Never Enough: How My Family Created the World’s Most Dangerous Man” (“Demasiado e Nunca Suficiente: Como a Minha Família Criou o Homem Mais Perigoso do Mundo”), o livro, de Mary L. Trump, sobrinha do Presidente norte-americano, tem publicação prevista para 28 de julho.

Em 24 de junho, o irmão do Presidente dos Estados Unidos, Robert Trump, interpôs uma ação num tribunal de Nova Iorque para impedir a publicação do livro, alegando que a autora violou um acordo de confidencialidade em relação à herança de Fred Trump, pai de Donald Trump e avô de Mary Trump, que morreu em 1999.

O juiz Hal Greenwald tinha bloqueado a publicação na terça-feira, mas o magistrado do tribunal de recurso, Alan Scheinkman, decidiu na quarta-feira que a editora “não é parte do acordo de confidencialidade”, tendo levantado a proibição de publicação.

O juiz adiou, no entanto, para mais tarde, a decisão sobre se a sobrinha de Trump e autora do livro violou o acordo, destinado a impedi-la de revelar segredos familiares.

Numa declaração enviada à AFP, o advogado de Mary Trump, Ted Boutrous, qualificou a decisão de “boas notícias”.

Contudo, o mandatário escreveu na rede social Twitter que a injunção temporária “permanece em vigor” em relação a Mary Trump, mas anunciou que apresentará esta quinta-feira recurso em tribunal, “para explicar por que razão [a interdição] deve ser levantada”.

Mary L. Trump, psicóloga de 55 anos, é filha de Fred Trump Jr., o irmão mais velho de Donald Trump, que morreu em 1981, com 42 anos, devido a alcoolismo.

Segundo a editora Simon & Schuster, o livro de memórias lança “luz” sobre “a história sombria” da família do Presidente norte-americano, relatando acontecimentos que a autora testemunhou em casa dos avós, em Nova Iorque, onde Donald Trump e os seus quatro irmãos cresceram.

De acordo com o site de notícias Daily Beast, Mary Trump deverá também revelar que é a principal fonte de uma grande investigação sobre as finanças de Donald Trump publicada pelo New York Times.

Este não é o único livro comprometedor para Trump em que houve tentativas para bloquear a sua publicação.

Em 20 de junho, um juiz federal norte-americano determinou que o ex-conselheiro de Segurança Nacional John Bolton podia publicar um livro de memórias, apesar dos esforços da administração do Presidente Donald Trump para o impedir.

O governo dos Estados Unidos tinha apresentado um pedido para bloquear o lançamento de “A Sala Onde Tudo Aconteceu”, crónica dos 17 meses que o ex-conselheiro Bolton passou com o ocupante da Casa Branca, em 2018 e 2019, dizendo-se preocupado com a possibilidade de a obra expor informações consideradas secretas.